Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Síria promete trégua se os rebeldes pararem de atacar

A Síria prometeu respeitar um cessar-fogo proposto pela ONU, a partir da Quinta-feira, mas as suas forças mantiveram intensos ataques contra redutos da oposição nas horas que antecederam o prazo.

Uma fonte do Ministério sírio da Defesa disse, Quarta-feira, à TV estatal que o Exército irá suspender as suas operações na manhã da Quinta-feira, mas que responderá a “qualquer ataque” de grupos armados.

A reportagem não fazia menção à desmilitarização das áreas urbanas, algo que, pelo plano de paz do mediador internacional Kofi Annan, deveria ter começado, Terça-feira.

E, enquanto a promessa de trégua era transmitida, os activistas relatavam que mais tanques estavam a entrar numa grande cidade.

Um porta-voz de Annan, enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a questão síria, disse em Genebra que o governo de Bashar al Assad ofereceu garantias de que suspenderia os combates às 6h de Quinta-feira.

Sinalizando que mantém o seu apoio ao aliado Assad, a Rússia salientou que a trégua na Síria depende também da adesão dos rebeldes armados.

Os insurgentes não têm uma estrutura de comando claramente coordenada, mas dizem que vão parar de disparar se as forças governamentais recuarem e a trégua for respeitada.

“O anúncio do Ministério da Defesa é um desvio em relação ao plano de Annan, que diz, claramente, que Assad deve retirar os tanques e parar a violência. Vamos esperar até amanhã. Não vamos agir antes de amanhã”, disse à Reuters o activista Qassem Saad al Deen, porta-voz da facção Exército Sírio Livre dentro do país.

Poucos oposicionistas sírios acreditam que Assad tenha a intenção de cumprir o plano de Annan para encerrar o conflito que já dura 13 meses.

“Annan, esse é o seu cessar-fogo”, dizia a irónica narração dum vídeo dos activistas mostrando um shopping center em chamas na cidade de Homs, depois dum bombardeio. Disparos de franco-atiradores eram ouvidos ao fundo. Os cctivistas dizem que pelo menos 12 pessoas foram mortas, Quarta-feira, inclusive uma mulher e uma criança atingidas por bombardeios perto da fronteira com o Líbano.

Um activista na cidade de Hama disse que pelo menos 20 blindados entraram em dois bairros centrais, e um partidário da oposição em Rastan, entre Hama e Homs, afirmou que a cidade passou a sofrer intensos bombardeios depois de o governo sírio anunciar que respeitará a trégua.

Cepticismo

As potências ocidentais também duvidam do compromisso de Assad com a trégua, mas não têm uma alternativa viável à disposição, uma vez que a China e a Rússia obstruem qualquer iniciativa do Conselho de Segurança da ONU que possa abrir caminho para uma intervenção directa.

“Os compromissos já foram assumidos repetidamente e violados repetidamente”, disse aos jornalistas a embaixadora dos EUA junto à ONU, Susan Rice.

O Conselho Nacional Sírio, principal grupo de oposição, disse que, se Assad não respeitar o cessar-fogo, a comunidade internacional deveria unir-se para impor sanções, inclusive um embargo de armamento.

“As chances de que até amanhã o regime implemente ou cumpra o cessar-fogo são fracas, todos nós sabemos”, disse Basma Kodmani, porta-voz do grupo.

“Gostaríamos de ver uma decisão unânime dos membros do Conselho de Segurança que mande um ultimato ao regime com um prazo que não seja muito distante e diga que na tal data, as medidas de cumprimento irão intervir.”

A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, informou que iria reunir-se, Quarta-feira, com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, para tentar convencer a Rússia, um dos poucos aliados internacionais de Assad, a mudar de postura.

“Vamos tentar, novamente, convencer os russos de que a situação está a deteriorar-se e que a probabilidade dum conflito regional e duma guerra civil está a crescer”, disse ela.

A China manifestou “profundas preocupações” com a violência na Síria, e pediu que todos os lados respeitem o cessar-fogo proposto por Annan, que a chancelaria descreveu como “uma oportunidade rara e importante”.

Em visita ao Irão, principal aliado da Síria no Oriente Médio, Annan disse que o seu plano tem chances de funcionar.

“Se todos respeitarem-no, acho que até 6h da Quinta-feira iremos ver melhores condições no terreno.”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!