Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Semana santa sangrenta nas estradas moçambicanas

Pelo menos 41 pessoas morreram, 45 contraíram ferimentos graves e 32 ligeiros em resultado de 32 acidentes de viação, entre 19 a 25 de Março, em diversas estradas moçambicanas, período que coincidiu com a semana santa. A Polícia diz estar agastada com a situação e pede o envolvimento da sociedade no sentido de evitar a tragédia.

“É necessário que tenhamos a consciência de que os acidentes de viação estão a ceifar vidas e atrasam o desenvolvimento de um país. Não se pode olhar para a questão de trânsito como se fosse exclusivamente da responsabilidade da Polícia”, disse Inácio Dina, porta-voz do Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), num briefing à imprensa.

Em igual período do ano passado, houve 38 óbitos, 41 feridos graves e 11 feridos ligeiros, devido a 49 sinistros. As causas têm sido sempre as mesmas, o acesso de velocidade, a condução em estado de embriaguez, as manobras irregulares, entre outros actos que consubstanciam indisciplina, violação dos preceitos previstos no Código da Estrada e dos ensinamentos adquiridos nas escolas de condução.

Inácio Dina disse que os condutores e peões devem ainda observar e respeitar os sinais de trânsito verticais e marcados no pavimento na via. “Tudo quanto os automobilistas aprenderam na escola deve ser escrupulosamente aplicado”. “As consequências [dos acidentes] continuam a preocupar e queríamos que esta preocupação se estendesse a todos nós. Que actuássemos em conjunto” para reduzir o indicie de derramamento de sangue e luto nas estradas.

Num outro desenvolvimento, o agente da Lei e Ordem indicou que na semana finda 43.908 viaturas foram fiscalizadas, emitidos 7.496 avisos de multas, 73 veículos, 91 livretes e 324 cartas de condução apreendidas por várias irregularidades e nove indivíduos detidos por condução ilegal.

As autoridades policiais realizaram igualmente campanhas de educação cívica, abrangendo 64.380 peões e 25.999 condutores, 9.438 ciclistas, 22.706 vendedores em diversos mercados, 5.357 alunos. E mais de oito mil motociclistas. Todavia, estas medidas não têm surtidos os efeitos desejados, na medida em que as mortes as mortes persistem nas estradas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!