Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: Quem deveria governar Moçambique, um engenheiro mecânico ou um político inocente? – Por Rabim Chiria

Tenho pouca certeza de que o meu leitor abanaria a sua cabeça, positivamente, diante destas questões, porque o sujeito referido no tema carece da virtude primeira que assegura uma boa estabilidade do sistema social. Quando falo da virtude primeira, refiro-me à justiça social. Será que o político inocente tem a noção da justiça? O engenheiro mecânico tem a noção da justiça?

Para responder estas questões, vou, primeiro, prestar homenagem a Glaucon, o grande porta- -voz dos Sofistas. E também vou prestar homenagem a Sócrates, ponta-de-lance bem sucedido nas marcações argumentativas. Glaucon, num diálogo com Sócrates, conta uma história muito linda e emocionante, digo isto para quem gosta de narrativas literárias. O diálogo está no livro II da República de Platão.

Glaucon conta uma historieta intitulada “O anel de Giges”. Giges era uma espécie de pastor, que para além de ser o pastor dos seus Camelos, também prestava cultos divinos e, não só, era homem honesto e bom pai da família, mas depois de achar um anel que lhe dava o poder de ser invisível, Giges virou um grande assassino da região. O primeiro plano que Giges fez depois de ter achado o anel foi: “Invadiu o palácio do rei, matou o rei, seduziu a rainha e, fez tudo que puder, isto na invisibilidade”.

Terminada a historieta, Glaucon olha para Sócrates e diz: Todo o homem é injusto, os homens praticam a justiça porque tem medo da coerção social e, não porque sejam justos por natureza. Se todos homens tivessem o poder de ser invisíveis é claro que cada um agiria segundo os seus desejos e interesses. Chegado até esse ponto, Glaucon infere dizendo: “A justiça individual funda-se em dois binómios; medo/coerção social. A justiça desperta medo na mente de quem cogita violenta-la”.

Sócrates recebe a palavra e diz: A justiça não tem nada a ver com o medo; uma pessoa justa age justamente; agir justamente é estar coagido pela parte superior da alma; quem age pela parte superior da alma é coagido pela razão, não pelo medo e, nem por interesses; a parte superior da alma é parte pensante que se localiza no cume topográfico do homem, mas não no cume topográfico de qualquer homem, esta é a virtude exclusiva do “FILÓSOFO”. A justiça localiza- se na primeira esfera do cume topográfico do filósofo. É impossível que o filósofo aja por medo ou por interesses porque é coagido pela parte pensante e racional onde reina a justiça.

Segundo essas declarações de Sócrates, parece estar claro que a justiça não é uma virtude do político inocente e muito menos do Engenheiro Mecânico. A justiça é um dom exclusivo do “FIOSÓFO”, homem que age segundo a razão, uma razão que se encontra na parte superior da alma, ou da mente.

A parte superior da alma, não depende da parte inferior, porque a parte inferior é típica das sensações, dos interesses pessoais, apetites ardentes, individualismo, atitudes de exclusão, cinismo, orgulho, arrogância, ou seja, todos adjectivos negativos estão lá instalados. A parte superior não se submete a parte inferior; ela exerce uma autonomia sobre a camada inferior. Então, isto monstro claramente que o filósofo é imune a injustiça, ou seja, a injustiça não alcança o filósofo. É justamente por isso, que deve-se confiar os interesses do povo ao “FILÓSOFO” e, não ao político inocente e nem ao Engenheiro Mecânico.

Coloquemos as peças no seu devido lugar, senão a máquina vai cair em pedaços. E a culpa será do maquinista. No preenchimento dos cargos públicos deve se respeitar o princípio da honestidade, assim como o vento que respeita a ordem natural. O vento venta da única maneira que poderia ventar, assim como a girafa respeita a lei natural e, reconhece o seu lugar. O mesmo princípio deveria ser implementado pelos homens, sobretudo na atribuição das tarefas.

O sapateiro deveria ocupar o seu cargo de concertar sapatos, o político inocente deveria se empenhar na sua área de política, sem perder a sua inocência. O engenheiro mecânico também deveria ocupar a sua área de mecânica e, não ter outras ambições de governar um país. Ter um engenheiro mecânico como governante é mesmo que confiar o destino de um povo à uma girafa; isto porque a girafa age de única forma que poderia agir, ela não tem possibilidade de fazer algo contrário, ou seja, a girafa não tem autonomia racional e muito menos autonomia plena.

O mesmo acontece com os engenheiros mecânicos e políticos inocentes quando estão no poder, não tem autonomia racional e muito menos autonomia plena. Os engenheiros mecânicos e os políticos inocentes levantam problemas e não consegue trazer soluções, isto porque não são autónomos. Eles fingem que são autónomos, mas quando se expressam, nota-se que, não são autónomos, pela vagueza dos argumentos, e mudam repentinamente de opinião porque são de fácil manuseio, são manipulados com facilidade.

Por Rabim Chiria

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!