Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: O papel das novas tecnologias e da televisão na educação dos jovens – Por Miguel Luís

De um tempo para cá, a juventude mundial, em concreto a moçambicana, vem passando por transformações de vária ordem, das quais algumas são benéficas e outras nem nos sonhos. As referidas transformações têm lugar num período da História da humanidade em que se respira o ar da nova era, “a era das novas tecnologias”. Esta era, que significa um grande avanço para a humanidade no que concerne às invenções tecnológicas, é caracterizada pela facilidade e eficiência na obtenção de serviços que abrangem a educação, a saúde, o lazer, o entretenimento, dentre outros.

A facilidade e eficiência na obtenção dos serviços aludidos é feita através de aparelhos electrónicos de última geração, que alguns os chamam de novas tecnologias, tais como o computador, o telemóvel, a câmara, a televisão, dentre outros.

Coincidências acontecem, não obstante prefiro dar primazia científica ao facto de dois fenómenos terem lugar no mesmo espaço de tempo, e questionar metodicamente, qual será a relação existente entre as mudanças em nada benéficas na vida dos jovens e o papel que as novas tecnologias prestam na educação destes?

As novas tecnologias, dentre as quais encontramos a televisão, são um grande e potente meio difusor de ideias, atitudes e comportamentos. Estes meios usam vários canais de transmissão de conteúdos, dos quais os que maior contacto têm com os jovens são no caso da televisão, as telenovelas e os programas de entretenimento, e no caso dos computadores e telemóveis, a internet e os jogos. Sendo estes, meios de transmissão de conteúdos, são susceptíveis de vários comentários no que concerne ao seu papel na educação dos jovens, em grande parte negativos, pois a maioria dos conteúdos, por estes transmitidos, muito fazem, que lhes chegam a roubar a boa educação.

Sirvo-me da análise regressiva e comparativa para fundamentar estas afirmações. Há quinze anos, antes da explosão massiva do uso das novas tecnologias na nossa sociedade, os jovens escutavam e praticavam os ensinamentos dos mais velhos, ou seja, a boa educação sintetizava-se como a base sobre a qual se fundavam suas vidas. Porém, foi só se introduzirem as novas tecnologias que o caos se fez matéria. Visitemos jovens dos grandes centros urbanos, que têm acesso às novas tecnologias e posteriormente façamos o mesmo aos que vivem em zonas recônditas e não têm acesso a estas e as assimetrias vislumbrar-se-ão.

“Os tempos são outros”, já dizia uma das publicidades que pela comunicação social passou. Hoje, as horas de conversas com os mais velhos são trocadas pelos chats no Watsapp e Facebook. Os games, videos e fotos pornográficos substituem as horas de estudos. Os trabalhos escolares são feitos com recurso ao “copy and past” feito na informação que alguma página da internet apresenta, sem espaço para a crítica.

Os cemitérios transformaram-se em lugares de tirar fotografias e fazer danças sensuais como “Quadradinho”. Se anteriormente tinhamos poucas escolas com poucos usuários das novas tecnologias e um número elevado de bons estudantes, hoje, o número de usuários aumentou acompanhado pelo o de “DJs” e maus estudantes.

Os jantares em família são substituídos pelas telenovelas e programas de entretenimento, que em algumas famílias cada membro os vê no seu quarto, a maior parte das referidas telenovelas apresenta conteúdos amorais, comportamentos grosseiros, expressões marginais, vestuário que atenta ao pudor, valorizam ideias de preconceito e intolerância.

Os jovens estão numa fase em que testam hipóteses e formam sua personalidade. Ao ver conteúdos semelhantes, os assimilam de forma negativa e os imitam. “A arte se inspira na vida, e a vida imita a arte”. Sendo propagador do caos acima exposto, estarão as novas tecnologias prestando um papel positivo na educação dos jovens?

Não que eu seja contra os avanços tecnológicos. Contudo, em conformidade com o acima exposto, afirmo peremptoriamente que as novas tecnologias têm prestado com estrondo um papel crucialmente negativo na educação dos jovens.

Por Miguel Luís

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!