Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: A paz do cabaz? – Por Dércio Tsandzana

Este texto faz parte de uma série de artigos que tenho vindo a publicar neste espaço com vista a contribuir para a paz em Moçambique. O título acima sugerido foi pensado com o propósito de caracterizar o tipo de paz que se está a construir em Moçambique, com base no actual modelo de diálogo político, que é caracterizado pelo secretismo entre os dois actores, o Governo e a Renamo, que se julgam donos supremos da paz.

A analogia com o cabaz é sugerido pelo facto deste ser caracterizado por conter diversos produtos, regra geral, alimentícios, e que só ficamos a saber todo o seu conteúdo após abri-lo para conferir, ou seja, um autêntico segredo que é da pertença de quem compôs tal oferenda.

Ao insistir no actual modelo de diálogo político, estamos a mostrar que como nação não conseguimos aprender com os erros do passado, desde o Acordo Geral da Paz, de 04 de Outubro de 1992, e o Acordo de Cessação das Hostilidades, de 05 de Setembro de 2015.

A paz em Moçambique não pode continuar a ser condicionada a apenas dois actores, sem que os moçambicanos conheçam o conteúdo que está a ser abordado no decorrer de cada sessão, muito menos os propósitos que cada um dos actores persegue.

O Governo e a Renamo precisam de apoio de todas as forças vivas da sociedade, visto que o problema da paz não é um assunto que diz respeito a apenas dois actores, pois, as decisões que sairão deste diálogo vão ter um impacto directo em todos os moçambicanos, sem excepção.

Ao incluir outras sensibilidades no actual diálogo, é um ganho para os dois actores, na medida em que vão mostrar o seu comprometimento público com a questão da paz, bem como estarão a mostrar que não escondem nada e o seu real interesse é com o povo que referem ser a sua maior razão de luta.

Ademais, a abertura ao diálogo vai permitir que os cidadãos possam monitorar de forma permanente o cumprimento de um eventual acordo que vai resultar do diálogo, pois, só com a informação é que pode-se evitar interpretações dúbias à semelhança do Acordo Geral de Paz (1992). Os cidadãos precisam saber, temos esse direito.

Por Dércio Tsandzana

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!