Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Seis morrem durante protestos de milhares de partidários de Mursi no Egito

Milhares de apoiadores do presidente islâmico deposto do Egito, Mohamed Mursi, marcharam por bairros do Cairo e de outras cidades nesta sexta-feira para exigir seu retorno ao poder, ignorando advertências de que as forças de segurança abririam fogo se os protestos se tornassem violentos.

Embora a maioria dos protestos tenha transcorrido sem grandes incidentes, uma fonte de segurança disse que pelo menos seis pessoas morreram, e a polícia disparou gás lacrimogéneo contra manifestantes no distrito de Mohandiseen, no Cairo.

A fonte de segurança acrescentou que pelo menos 50 pessoas ficaram feridas em todo o país e que foram realizadas mais de 20 prisões. O gabinete do governo divulgou um comunicado após os protestos dizendo que quem ignorou o toque de recolher teria de enfrentar consequências legais.

Depois de uma relativa calmaria após a prisão de muitos líderes da Irmandade Muçulmana, os protestos desta sexta-feira foram o maior desafio dos partidários de Mursi ao governo apoiado pelos militares desde os confrontos de duas semanas atrás, em que centenas de manifestantes foram mortos.

O governo apoiado pelo Exército prendeu a maioria dos líderes da Irmandade Muçulmana, da qual Mursi faz parte, desde que o presidente foi derrubado, em 3 de julho.

Forças de segurança reprimiram diversos protestos, mas não conseguiram silenciar o movimento que governou o Egito durante um ano. Os manifestantes desta sexta-feira parecem ter escolhido realizar inúmeros protestos espalhados e evitar as maiores praças do Cairo, onde a polícia e tanques estão posicionados, ou locais de protestos anteriores, como os acampamentos pró-Mursi onde as forças de segurança mataram mais de 600 pessoas em 14 de agosto.

Logo após as orações desta sexta-feira, cerca de 500 manifestantes saíram da mesquita Sahib Rumi, no centro do Cairo, entoando: “Acorde, não tenha medo, o Exército tem que sair!”, e “O Egito é islâmico, não é secular!”.

No meio da tarde, milhares de pessoas marcharam em vários outros bairros e subúrbios do Cairo. Soldados se juntaram a policiais de capacete em uniformes pretos e coletes à prova de bala, armados com armas de gás lacrimogêneo e fuzis semiautomáticos, em vários pontos perto dos protestos.

As forças bloquearam o acesso a uma das pontes sobre o Nilo. Marchas de tamanho semelhante foram realizadas em Alexandria, no litoral, em várias cidades do Delta do Nilo, nas três cidades do Canal de Suez: Suez, Ismailia e Port Said, e em outros locais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!