Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sector de embalagem será revitalizado

Em resposta ao crescimento da produção e procura que ultimamente se verifica no mercado, o Governo pretende a revitalização do sector da embalagem no país, para o que está a ser elaborado um conjunto de incentivos às empresas que vierem a surgir, vocacionadas para esta área, como facilidades na importação de equipamento e matérias primas.

Segundo o ministro da Indústria e Comércio, António Fernando, a economia moçambicana está a registar progressos que podem ser testemunhados pelo surgimento de novas empresas em diversos ramos de actividade, bem como das exportações do país para o resto do mundo, o que coloca “maiores” desafios ao sector de embalagem para atender a demanda, sobretudo para responder às necessidades das micro, pequenas e médias empresas.

«Estamos cientes de que o progresso económico é irreversível, por isso propomo-nos incentivar a revitalização do sector de embalagem, de modo a dar resposta à demanda actual e antecipar a futura», afirmou o ministro, falando quinta-feira na Conferência Internacional sobre oportunidades de negócio no sector de embalagem em Moçambique. «O país conta actualmente com associações de pequenos produtores rurais isolados dos canais de venda de embalagem e respectivo equipamento, e elas têm um papel fundamental no abastecimento das cidades e vilas em produtos agrícolas, tanto frescos como processados, o que seria reforçado se tivessem acesso à embalagem», acrescentou.

 

Actual estágio do sector

Neste momento, operam no sector de embalagem 33 empresas, das quais 27 com embalagem plástica, quatro de cartão canelado, e duas de embalagens metálicas. O país tem um défice de operadores e fornecedores de embalagens de vidro, muito procuradas sobretudo pelas indústrias de refrigerantes, ainda que as grandes empresas consigam satisfazer as suas necessidades. «Estamos preocupados, já que neste aspecto somos penalizados pelo défice de oferta de embalagem apropriada aos nossos produtos, tanto de consumo interno, como de exportação, em quantidade e qualidade, e a preços que não prejudiquem a sua competitividade».

 

Apresentação do produto

António Fernando alertou para a existência de estudos que mostram que «melhorar a apresentação do produto pode resultar no aumento do volume de vendas em 30 por cento, por isso um produto melhor embalado ou apresentado vende mais que um produto que, por mais que seja bom, está mal embalado».

A questão da embalagem constou nas prioridades da estratégia elaborada para o sector da indústria, aprovada em Agosto de 2007 pelo Conselho de Ministros.

O Seminário Internacional de um dia sobre oportunidades de negócio no sector de embalagem em Moçambique, organizado pelo Instituto para a Promoção das Pequenas e Médias

Empresas (IPEME), uma instituição subordinada ao Ministério da Indústria e Comércio, contou com a participação de empresários nacionais, do Brasil, Itália e África do Sul, que operam no sector de embalagem, para a troca de experiências e análise das necessidades e desafios que se colocam.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!