Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Secretária do SNJ em Nampula apela ao jornalismo investigativo e proactivo

A delegada do Sindicato Nacional de Jornalistas (SNJ) em Nampula, Hermínia Francisco, apelou aos profissionais de comunicação social naquela província no sentido de pautarem por um jornalismo investigativo, proactivo e de conto da realidade para que se possam atingir os desafios do milénio, rumo ao desenvolvimento.

Estas e outras informações foram dadas a conhecer na Praça dos Heróis Moçambicanos em Nampula numa cerimónia alusiva à passagem de mais um aniversário da fundação do Sindicato Nacional de Jornalistas, que se assinalou no dia 11 de Abril. Na presença de vários directores provinciais, vereadores do município de Nampula e chefes dos departamentos e populares, Hermínia Francisco fez saber que o maior desafio dos jornalistas é a erradicação da pobreza.

“Todos devem estar empenhados na luta contra o jornalismo especulativo que nada dignifica a carreira jornalística”. A secretária de SNJ em Nampula reconheceu que, em tempos, vários grupos de jornalistas dedicavam-se ao jornalismo especulativo, ou seja, sem o estudo de base de uma determinada informação, o que fazia com que criasse um mal-estar em grande parte das pessoas afectadas, porém, é chegado o momento em que todos se devem dedicar às novas tecnologias e investigação aturada sobre um determinado assunto.

Francisco disse ainda que o maior desafio neste momento é a criação de estratégias de modo a obter-se espaços para se garantir um bom ambiente entre a classe jornalística e os diferentes actores da sociedade.

A delegada do SNJ em Nampula avançou que, desde o ano de 1994, registaram-se muitos avanços, bastando olhar para a própria Lei de Imprensa, que abriu mais espaço para a criação de mais órgãos de informação, com destaque para os privados, e o pluralismo de informação.

“Muita coisa mudou, bastando olhar para o ano de 1978, ano da Fundação Nacional de Jornalistas (FNJ), transformado em 1994 em Sindicato Nacional de Jornalistas (SNJ). Muita coisa precisava de ser definida começando pela própria liberdade de imprensa. Hoje lutamos pelas carteiras profissionais que poderão dar mais valor aos profissionais de comunicação social”, disse.

Num outro ponto, a nossa entrevistada disse que é importante que os órgãos de informação apostem na componente de capacitação e formação dos seus jornalistas, e a verificação da ética e deontologia profissional. Hermínia aproveitou o momento para chamar a atenção aos vários fazedores de comunicação social no sentido de agirem dentro da ética e deontologia profissional que é um dos vectores para a realização do jornalismo científico capaz de trazer informações que possam garantir a livre circulação de informação junto às comunidades.

Jornalistas mendigos e corruptos

A secretária do SNJ em Nampula referiu que tem vindo a trabalhar com um grupo de fazedores de informação considerados mendigos, burlões e corruptos. A nível da província, existem dois jornalistas que extorquem as suas fontes, manchando a classe jornalística. A secretária afirmou que tem vindo a receber queixas por partes de alguns dirigentes locais que classificam os dois jornalistas, mesmo sem ter citado nomes, de anti-profissionais.

Num outro passo, a nossa entrevistada fez saber que na semana comemorativa dos jornalistas em Nampula foram agendadas várias actividades, nomeadamente uma confraternização e viagem ao distrito de Moma onde os jornalistas poderão ter a oportunidade de visitar o empreendimento das areias pesadas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!