Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Diário de campanha: Os “hábitos” velhos da campanha eleitoral

Diário de campanha: Os “hábitos” velhos da campanha eleitoral

O adágio popular “ano novo, vida velha” assenta como uma luva à campanha eleitoral no município de Inhambane. O uso dos meios de Estado – por parte de membros do partido no poder – é a tónica dominante de um processo que tem tudo para ser o mais ordeiro na história da municipalização do país.

A cidade de Inhambane é famosa pela vida ordeira e silenciosa que os seus munícipes levam. Porém, o desaparecimento físico de Lourenço Macul colocou a urbe na rota de eleições intercalares, depois de Pemba, Quelimane e Cuamba.

Para a opinião pública, estas eleições transformariam Inhambane numa panela de pressão em constante ebulição. Debalde. Os “manhambanas” seguem a sua vida da mesma forma. Afirmam, quando questionados, que sabem em quem vão votar, mas deixam claro que não precisam de andar pelas ruas “a fazer barulho”.

Quando saem à rua, os candidatos, nestes primeiros dias de campanha, privilegiam os bairros periféricos. A centro da cidade é visitado ao final do dia, com caravanas entoando músicas que apelam ao voto.

A periferia é o local onde depositam todas as suas forças. Até porque a cintura que abraça o centro da cidade tem duas particularidades: pobreza extrema e muitos habitantes. Os candidatos sabem disso, e é lá que vendem o seu peixe.

Nhaca fala, nos pequenos ajuntamentos populares e na campanha porta a porta, de colocar no poder “quem prima por uma governação honesta e centrada no povo”. Coloca, como pano de fundo do seu discurso, uma cidade que seja para todos. Porque, no seu entender, Inhambane é um espaço onde “todos habitam, mas poucos vivem condignamente”.

Por outro lado, Nhaca promete abrir sedes municipais em todos os bairros para facilitar o acesso aos serviços. Afirma que as pessoas não têm de se dirigir ao município para tratar duma licença para construir.

Guimino promete, já se sabe, asfaltar a estrada que vai dar à praia da Barra e apetrechar as escolas. Fala, também, de continuar um trabalho “exemplar que Macul não terminou”. E não só: “também quero abrir ruas para melhorar o acesso aos bairros e a vida dos munícipes”.

“Guimimo vai dar continuidade a estes programas. Como viram, há dias entregámos no bairro Josina Machel um sistema de abastecimento de água potável. Esse é o programa do falecido Lourenço Macul e que Benedito Guimimo pretende prosseguir”, prometeu Agostinho Trinta, governador da província de Inhambane e reforço da campanha do candidato do partido no poder. Nhaca também teve reforços de peso. Daviz Simango e Manuel de Araújo estiveram no município de Inhambane a dar forças ao candidato do MDM.

As promessas, embora venham “embrulhadas” em pacotes concorrentes, divergem apenas no tom, mas muito se assemelham na essência. Ambos afirmam que vão asfaltar as ruas, melhorar o abastecimento de água, levar energia aos bairros periféricos e priorizar a juventude.   Foi, por exemplo, isso que Nhaca prometeu na praia do Tofo, num pequeno showmício.

Cidade calma

Às 7horas desta quarta-feira, apenas alguns cartazes com os rostos de Benedito Guimino (Frelimo) e Fernando Nhaca (MDM) davam sinais de que Inhambane está a viver um momento de campanha eleitoral. Contudo, na página Eleições Intercalares Inhambane já circulavam postes dando conta de movimentações intensas das duas brigadas.

@Verdade seguiu, primeiro, para a sede do MDM, no bairro Chalambe para obter o programa de campanha. Eram 9horas, mas Fernando Nhaca não se encontrava ainda no local. O mesmo aconteceu na sede do partido Frelimo, no centro da cidade, onde o candidato se encontrava ausente. Enquanto isso, nas ruas de Inhambane, a vida das pessoas corria como sempre.

Uso dos meios do Estado

Há registos de uso de meios do Estado por parte de membros do partido Frelimo. Por outro lado, a Imprensa tem reportado casos de funcionários públicos de municípios e distritos vizinhos em desfiles pela cidade com viaturas das direcções províncias com material de propaganda de Benedito Guimino.   O ponto mais alto do uso dos meios do Estado para fins eleitorais foi protagonizado pelo Governador de Inhambane, Agostinho Trinta, que se deslocou à Praça dos Heróis para uma deposição de flores na sua viatura protocolar coberta de material de propaganda do seu partido. O carro é um Toyota Prado com a chapa de inscrição ABC 666 MP.

Refeições gratuitas

Informações dão conta de que um pouco por todos bairros são confeccionadas refeições para quem participa na campanha de Guimino. Os responsáveis por cada bairro, diz-se, são os secretários. Contudo, @Verdade não conseguiu confirmar a veracidade de tal informação.

Jornalistas credenciados

Quando faltam sete dias para as eleições em Inhambane, a Comissão Nacional de Eleições credenciou 23 jornalistas para cobrirem o processo, dos quais nenhum pertence a um órgão independente.

Os profissionais de comunicação social devidamente credenciados estão afectos à Televisão de Moçambique, Diário de Moçambique, Rádio Moçambique e Instituto de Comunicação Social.

No que diz respeito aos observadores, foram credenciados até ao momento 68, dos quais 17 pertencem ao Observatório Eleitoral, 13 da FOPROE e outros 38 da DRUJBA NARADOV. As duas últimas são organizações da sociedade civil da província de Inhambane.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!