Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Saúde: escasseiam medicamentos na cidade da Beira

As unidades sanitárias da cidade da Beira, capital da província central de Sofala, estão a enfrentar uma crise de medicamentos da chamada via clássica, particularmente antibióticos e antiretrovirais. Custodio Cruz, médico-chefe provincial afirma não haver problemas de fármacos da chamada via essencial, para combater doenças como malaria, tuberculose e os anti-inflamatórios.

Cruz reconheceu o facto em entrevista concedida ao matutino “Noticias”, tendo explicado que as unidades sanitárias da urbe, com excepção do Hospital Central da Beira, recebem medicamentos por duas vias, nomeadamente, a essencial e clássica. “Na primeira recebem-se fármacos em kits para doenças que provocam óbitos rapidamente, como é o caso da malária, enquanto que a segunda é para patologias de níveis mais complexos e que não causam muitas vezes mortes imediatas, como é o caso de hipertensão”, explicou.

O médico destacou que os medicamentos recebidos por via essencial até então não constituem problema, porque o seu sector os possui em grandes quantidades, adiantando que mesmo assim uma e outra unidade sanitária poderá enfrentar algum défice, geralmente solucionado com assistência do hospital vizinho. “Temos uma espécie de cooperação, em que quando uma unidade sanitária tem falta de um determinado medicamento a outra pode socorrer. Isso ajuda a colmatar certos problemas. É certo que a crise de medicamentos de que se fala é generalizada, mas o nosso problema é dos fármacos que recebemos por via clássica”, referiu Cruz.

O médico-chefe da cidade da Beira revelou que o maior problema ao nível da capital provincial de Sofala está relacionado com a falta de antibióticos e antiretrovirais, mas algumas unidades sanitárias ainda possuem parte deste medicamento, só que em quantidades reduzidas. Informações colhidas no terreno referem que problemas similares também afectam, de certa forma, os restantes 12 distritos de Sofala, mas as autoridades sanitárias provinciais prometem pronunciar-se sobre o assunto nos próximos dias.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!