Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Sarkozy e Hollande travam batalha por eleitores da extrema direita

Os dois finalistas das eleições francesas tentaram, esta Terça-feira, seduzir quase um quinto do eleitorado que votou na candidata de ultra-direita Marine Le Pen, e manifestaram empatia com as dificuldades económicas dos cidadãos.

O presidente Nicolas Sarkozy, conservador que ficou em segundo lugar na primeira volta, Domingo, apoiou-se em comícios e entrevistas para insistir em temas caros ao eleitorado de Le Pen, o medo da imigração, a insegurança e o declínio industrial.

“Quero conversar com as pessoas humildes, com os soldados de infantaria, com as pessoas do interior, com os pensionistas”, disse Sarkozy num acto público, dizendo que a candidata da Frente Nacional (Marine Le Pen) havia atraído um voto de crise (…) na parte da França que está a sofrer. “Vocês sentem medo.

Eu oiço-vos”, declarou. Já o socialista François Hollande, apontado pelas pesquisas como favorito no segundo turno, a 6 de Maio, disse em entrevista ao jornal esquerdista Libération: “Cabe a mim convencer os eleitores da Frente Nacional”.

Hollande atribuiu os 18 por cento de Marine Le Pen, maior votação já obtida pela extrema direita na França, ao “desespero dum eleitorado sofredor de funcionários de escritórios, artesãos e operários que estão realmente a senti-se abandonados”.

Citou também agricultores em dificuldades financeiras. Para Hollande, esse eleitorado, regresso parcialmente da esquerda, desejava punir não só Sarkozy como também o sistema político, a Europa e a globalização.

Na estratégia para herdar os votos de Marine Le Pen, Sarkozy explora questões como o “trabalho real” em contraponto ao “assistencialismo”, e propõe restringir a imigração e coibir exibições públicas da fé islâmica.

Já Hollande tenta mostrar-se como uma figura presidencial calma e unificadora. Marine Le Pen esnobou ambos os rivais, dizendo que o seu eleitorado havia votado nas suas ideias, e não como protesto.

Ela deixou claro que o seu próximo objectivo é formar uma bancada expressiva na eleição parlamentar de Junho, e comandar “a verdadeira oposição”.

Com base na votação de Domingo, a Frente Nacional chegaria ao segundo turno em cerca de 345 distritos eleitorais, o que representa mais de metade das 577 vagas da Assembleia Nacional.

Essa divisão do eleitorado da direita pode ser uma ameaça ao partido UMP, de Sarkozy.

Marine Le Pen prometeu manifestar-se sobre a segunda volta num comício em 1º de Maio, mas os assessores dizem que dificilmente ela irá declarar apoio a um dos candidatos.

Os analistas dizem que a estratégia da Frente Nacional consiste em derrotar Sarkozy e a direita tradicional.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!