Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rússia e Venezuela estreitam relações

Com vista a contrabalançar o poderio americano  

Em mais uma visita de trabalho à Rússia, Hugo Chávez voltou a assinar acordos no campo militar com o gigante russo, naquilo que é visto por muitos como uma atitude desafiadora dos dois países face aos Estados Unidos da América.  

“A Rússia e a Venezuela selaram, na sexta-feira última, uma aliança estratégica que tem vindo a forjar-se desde o início desta década destinada a constituir um contra-peso sólido à influência norte-americana”, afirmava um comunicado do Kremlin, emitido por ocasião da sétima visita de Estado do presidente venezuelano, Hugo Chávez aquele país em outros tantos anos.

Depois dos encontros na quinta- feira com o primeiro-ministro Vladimir Putin e no dia seguinte com o presidente Dimitri Medvedev, o mandatário venezuelano saiu da Rússia com dois acordos de envergadura em matéria de energia e com a promessa russa de conceder a Caracas um crédito de mil milhões de dólares para a compra de armas e de equipamento militar de fabrico russo. A oferta efectuou-se no dia em que Medvedev anunciou que a Rússia investirá na modernização do sistema de mísseis e de submarinos nucleares.

As compras incluirão, segundo fontes da indústria militar russa, aviões, helicópteros, navios de guerra, submarinos e blindados. Recorde-se que entre 2005 e 2007, Moscovo e Caracas assinaram uma dezena de contratos no valor de 4.400 milhões de dólares, incluindo a venda de 24 caçasbombardeiros e meia centena de helicópteros de combate.

 

Quanto ao acordo no sector energético este contempla a constituição de um consórcio entre as principais empresas russas do sector, entre elas a Gazprom e a estatal PDVSA (Petróleos da Venezuela). A colaboração deverá estenderse à exploração de jazigos da bacia do Orinoco e de outras zonas, extracção de hidrocarbonetos e construção de infraestruturas. Moscovo considera fortemente ainda a hipótese de auxiliar a Venezuela no desenvolvimento da energia nuclear, se bem que o assunto ainda não figure nos acordos assinados.

Lembre-se que a Gazprom, empresa que possui o monopólio do gás russo, já está presente na Venezuela, onde investiu cerca de 110 milhões de dólares e planeia iniciar em Outubro perfurações de prospecção na costa deste país.

Saliente-se que desde a compra da Sibneft, a Gazprom converteu-se não só na principal empresa de gás como também numa das principais petrolíferas russas, e observa com interesse a exploração de jazigos de petróleo noutros países. A aliança entre a Rússia e a Venezuela consolidou-se nos últimos anos, culminando este mês com a visita à Venezuela de dois bombardeiros estratégicos russos com capacidade para transportar armas nucleares e com manobras navais conjuntas previstas para Novembro.

A Rússia advoga pelo fim do mundo unipolar e pensa que o poder dos Estados Unidos está em decadência. Moscovo aproveita assim o momento para forjar alianças em regiões afastadas dos seus interesses vitais, como a América Latina. O Kremlin pretende que a Venezuela desempenhe hoje um lugar semelhante ao de Cuba para a União Soviética nos anos 60, com a aliciante ainda da riqueza em hidrocarbonetos que a pátria de Simão Bolívar possui. “A América Latina está a converter-se num claro anel da cadeia que levará o planeta a um mundo multipolar”, declarou Putin. “Prestaremos cada vez mais atenção a este vector da nossa política exterior.

Cartão vermelho para Merkel” Depois da guerra com a Geórgia, e ante a reacção hostil dos Estados Unidos face às acções russas, as relações com a Venezuela parecem ter recebido um novo impulso. Moscovo, sentindo-se isolada, busca reforçar os laços com potenciais aliados, ainda que estes sejam, como Chávez, ruidosamente anti-americanos.

O raciocínio é simples: as relações com Washington são tão más que pouco podem influenciar a aproximação entre Moscovo e Caracas. Saliente-se que apesar do apoio da Venezuela à Rússia na guerra com a Geórgia, Chávez não reconheceu a independência da Abkazia e da Ossétia do Sul.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!