Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rússia detém navio do Greenpeace após protesto no Ártico

As autoridades russas detiveram um navio do Greenpeace e ameaçam formular acusações criminais contra ativistas do grupo, depois que escalaram a primeira plataforma de petróleo russa no mar do Ártico.

Segundo o Greenpeace, integrantes da guarda costeira armados abordaram a embarcação, o Arctic Sunrise, e a apreenderam na quinta-feira, um dia depois de dois ativistas terem sido arrancados da lateral da plataforma Prirazlomnaya, de propriedade da gigante estatal de energia Gazprom e aprisionados.

O Serviço de Segurança Federal afirmou que o navio, registrado em Amsterdã, estava sendo rebocado para Murmansk, onde não deve chegar antes de segunda-feira. O órgão informou que havia 27 pessoas a bordo, incluindo quatro cidadãos russos.

A unidade regional do Comité Investigativo da Rússia disse estar a estudar a possibilidade de indiciar ativistas por pirataria, delito que pode levar a uma pena de até 15 anos de prisão. O Serviço de Segurança Federal negou a afirmação do grupo de defesa do meio ambiente de que o navio estava em águas internacionais quando foi apreendido.

O Greenpeace tinha como objetivo chamar a atenção para a ameaça ao frágil ecossistema do Ártico, com a expansão da exploração de petróleo na área. A entidade informou que não teve nenhum contato com a tripulação por muitas horas e que as autoridades da polícia danificaram o equipamento de comunicações do navio.

Na quinta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que o protesto do Greenpeace “foi provocativo e agressivo e tem a marca de atividade extremista que poderia causar a morte de pessoas e outras consequências graves”. E acrescentou que convocou o embaixador holandês para apresentar uma reclamação.

Para o Greenpeace, a verdadeira ameaça para a região não era seu navio de campanha, mas a exploração de energia de modo imprudente.

“A segurança dos nossos ativistas continua sendo a nossa prioridade e estamos a trabalhar muito para ficar a par do que eles enfrentam”, disse o chefe do grupo para a campanha sobre o petróleo do Ártico, Bem Ayliffe, num comunicado. “Eles não fizeram nada para merecer esse nível de agressão e foram totalmente pacíficos em toda parte.”

A Gazprom recusou-se a comentar o assunto. A Rússia considera uma prioridade a difícil exploração dos recursos da região e a produção da reserva de Prirazlomnoye está prevista para começar no final deste ano, depois de atrasos que a Gazprom atribuiu a questões técnicas. A expectativa é atingir o pico de produção de 6 milhões de toneladas por ano (120 mil barris por dia) em 2019.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!