Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Rock Forage Titanium Lda” perde direito de explorar areias pesadas de Chibuto

O Governo moçambicano cancelou o resultado do concurso lançado para a exploração das Areias Pesadas de Chibuto, na província de Gaza, Sul de Moçambique. O concurso foi lançado a 18 de Outubro de 2010, tendo sido apurada a 8 de Abril último, a ‘Rock Forage Titanium Lda’, uma empresa constituída por parceiros moçambicanos e canadianos e que está registada em Moçambique, para desenvolver a mina.

Segundo informações do Ministério dos Recursos Minerais (MIREM), a que a AIM teve acesso, o cancelamento dos resultados do concurso surgiu em virtude da empresa vencedora não ter cumprido com as condições precedentes para a assinatura do Acordo de Princípios. Tais condições têm a ver com o pagamento de um bónus de assinatura do acordo, no valor de 50 milhões dólares americanos, bem como a existência de um programa de desenvolvimento social para apoiar às comunidades a volta da mina.

De acordo com o MIREM, houve sucessivas prorrogações para o pagamento deste valor e mesmo assim a empresa não conseguiu cumprir, o que levantou suspeições por parte do governo sobre a possibilidade da empresa não dispor de recursos para investir no projecto. Um dos requisitos impostos pelo Governo é a competência técnica e capacidade financeira para desenvolver o projecto, de acordo com as práticas modernas e normas de qualidade exigidas na indústria.

O MIREM já está a trabalhar para o lançamento de um novo concurso, facto que deverá ocorrer até ao primeiro trimestre do próximo ano. O Governo está interessado em encontrar investidores para desenvolver a Mina de Areias Pesadas de Chibuto, nomeadamente a componente extracção, concentração, beneficiação e produção de pigmentos de titânio.

Estima-se que a mina apresenta reservas de ilmenite avaliadas em 72 milhões de toneladas, zircão, num total de 2,6 milhões de toneladas e 400 mil de toneladas rutilo, para serem exploradas durante pelo menos 30 anos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!