Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Rio+20 termina à sombra da crise e com acordo “possível”

Apenas o “possível” venceu a falta de consenso e de disposição para desembolsar recursos em nome do desenvolvimento sustentável, e a Rio+20 terminou sob críticas de falta de ambição e à sombra da crise econômica internacional.

Países ricos, tradicionais financiadores de projetos ambientais, usaram a crise como justificativa para rejeitar o aporte de recursos, deixando no documento final um vazio quanto a valores a serem destinados a programas de desenvolvimento sustentável.

Delegações comemoraram o consenso, alcançado antes da reunião de chefes de Estado e governo, sobretudo por ter reafirmado pontos já acertados há 20 anos, na Eco-92, e evitar um retrocesso em acordos já assinados.

Outros países, no entanto, se mostraram frustrados com o que chamaram de falta de ambição e urgência no combate a problemas decorrentes do aumento do consumo, da população e da industrialização.

A atual crise financeira assombrou a conferência, e o acordo foi chamado de “possível” pela presidente Dilma Rousseff.

“Aplaudo em especial os países em desenvolvimento que assumiram compromisso concreto, mesmo sem a necessária contrapartida de financiamento dos países desenvolvidos”, disse Dilma, ao encerrar a conferência na sexta-feira.

Com a resistência dos ricos de se comprometer com novos aportes, o texto apontou apenas para uma diversidade de fundos, inclusive privados, para o financiamento de ações para o desenvolvimento sustentável.

Cerca de 100 chefes de Estado e governo, que estiveram reunidos nos últimos três dias no Rio, discutiram formas de estabelecer os chamados “objetivos de desenvolvimento sustentável”, uma iniciativa da ONU construída em torno do crescimento econômico, da preservação ambiental e da inclusão social.

O G77, grupo dos países em desenvolvimento -que inclui Brasil e China- havia proposto a criação de um fundo de 30 bilhões de dólares destinado a projetos, mas foi derrotado.

A conferência havia gerado baixa expectativa, com a ausência de importantes líderes e países preocupados em resolver problemas internos, mas diversas delegações, sobretudo da União Europeia, criticaram o texto final, “O Futuro que Nós Queremos”, apontando falta de ambição.

“Muito se falou aqui sobre ambição, mas pouco se colocou sobre a mesa. Não se pode exigir ação se não há ambição de financiamento. Quem exige e não põe dinheiro está sendo incoerente”, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

As ausências notáveis incluíram o presidente dos EUA, Barack Obama, a chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, que participaram de uma reunião do G20 no início desta semana no México.

“FRACASSO ÉPICO”

As delegações fracassaram em chegar a um texto na sexta-feira passada, e o Brasil assumiu as negociações, sob a ameaça do documento representar retrocesso a políticas já acertadas.

O acordo foi fechado após o Brasil ter simplificado a redação e eliminado trechos que causavam grandes divergências.

Na terça-feira, pouco depois da aprovação do acordo, o ministro de Relações Anteriores, Antonio Patriota, disse que a perspectiva das negociações era de que os países não conseguissem chegar a um consenso.

A mudança de status do Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (Pnuma) foi citada por diplomatas brasileiros como outro entrave para um acordo.

O Brasil e países europeus e africanos defendiam a garantia de elevação do programa à condição de órgão da ONU. O texto cita apenas um apoio ao fortalecimento do programa, mas deixa à Assembleia Geral da entidade discussões sobre a transformação para agência.

O diretor-executivo do Pnuma, Achim Steiner, reconheceu que o documento reflete as dificuldades atuais no cenário internacional, mas comemorou a redação sobre o programa.

Organizações não-governamentais também criticaram o resultado da conferência, que foi chamada de “Rio-20”, e apontaram a ausência de compromissos e metas. O documento final foi chamado de “O Futuro que nós não Queremos”.

“A Rio+20 se transformou em um fracasso épico. Falhou em equidade, falhou em ecologia e falhou na economia”, disse em comunicado Daniel Mittler, diretor político do Greenpeace.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!