Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Rio+20 busca um compromisso político para o desenvolvimento sustentável

Mais de 50.000 representantes de governos, do sector privado e de organizações não-governamentais são esperados no Rio de Janeiro, esta semana, para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, onde eles tentarão abrir um caminho comum em direcção a um crescimento mais ecológico e justo.

O objectivo da conferência é garantir um novo compromisso político dos líderes mundiais para o “desenvolvimento sustentável”, que leve em consideração o crescimento económico, o desenvolvimento social e a protecção ambiental.

Com a população mundial projectada para aumentar dos actuais 7 bilhões para 9 bilhões em 2050, a cúpula pode oferecer uma oportunidade para ajudar a mapear rotas para o crescimento económico sem a exaustão contínua dos recursos naturais e os danos ao meio ambiente.

Uma vez em uma geração

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban-ki Moon, disse no início deste mês que a Rio+20, como a cúpula é informalmente conhecida, será uma oportunidade que acontece apenas “uma vez em uma geração” de progredir em direcção à economia sustentável.

Entre os resultados que ele disse esperar estão:

* O acordo sobre um caminho para uma “economia verde inclusiva”

* O acordo em definir “metas de desenvolvimento sustentável com alvos nítidos, mensuráveis e indicadores”

O mundo mudou dramaticamente desde a primeira Cúpula da Terra. Por exemplo, as economias emergentes como Brasil, China, Índia e África do Sul desempenham um papel económico maior do que há duas décadas.

“Mudamos de um mundo unipolar para um multipolar. O tipo de liderança que as economias emergentes dentro do mundo em desenvolvimento mostrarem na Rio+20 será importante para o resultado”, disse Manish Bapna, presidente em exercício do Instituto de Recursos Mundiais, um instituto ambiental sediado em Washington.

Ele disse que a cúpula ocorre enquanto a maioria da classe média do mundo muda-se para áreas urbanas do mundo em desenvolvimento, principalmente na Ásia.

Ele citou um estudo recente da empresa de consultoria McKinsey, que projectou que a classe média em todo o mundo crescerá de 1,8 bilhão em 2010 para 4,8 bilhões em 2022.

“A maioria das pessoas (na classe média) viverá no mundo em desenvolvimento e nas cidades. Como eles irão para o trabalho, o que comerão e o que comprarão, são as escolhas que eles fazem que irão decidir um caminho sustentável”, ele disse

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!