Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rio Púnguè contaminado

Está num avançado estado de degradação o ecossistema circundante do rio Púnguè, nas províncias de Manica e Sofala, provocando contaminação das suas águas, segundo Natasha Ribeiro, investigadora a soldo da Universidade Eduardo Mondlane.

Ribeiro apontou como origem da situação “a crescente e preocupante” proliferação de unidades de exploração de ouro naquelas regiões do Centro do país, “agravando a degradação do ecossistema e contaminação das águas do rio Púnguè”. Contra o cenário que está a transformar a água do rio Púnguè em “avermelhada”, aquela cientista moçambicana disse que se devem intensificar acções de legalização e monitoria da actividade dos operadores informais que se dedicam à produção do ouro, “não apenas naquelas duas províncias, mas em todo o país por forma a se conter casos de contaminação dos nossos rios”.

Florestas

Entretanto, o ministro da Ciência e Tecnologia, Venâncio Massingue, disse haver necessidade de o país aproveitar o facto de pouco mais de metade de Moçambique ser constituído por florestas para minorar os efeitos das mudanças climáticas que se registam. “Não serão medidas de proibição que vão preservar a natureza, recursos naturais ou biodiversidade, mas sim a mudança de atitude que levará a uma convivência entre a natureza e a população”, realçou Massingue, falando na abertura da reunião internacional sobre biodiversidade que decorreu, esta quintafeira, em Maputo.

O encontro visava a troca de experiências entre pesquisadores de Moçambique e de outros países da região Austral de África, assim como alertar para a importância da conservação do ecossistema. O evento foi organizado pela Academia de Ciências de Moçambique, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, e contou com a presença de Albert Van Jaarsveld, presidente do Fundo de Investigação Científica da África do Sul.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!