Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Descoberta de petróleo pode representar “maldição”

A descoberta de petróleo, recurso alvo de intensas pesquisas em Moçambique, pode tornar-se “numa maldição” para o país, se as elites monopolizarem as vantagens provenientes da venda de crude, alertou o jornalista da Guiné-Equatorial Donato Bidyogo.

Várias multinacionais estão actualmente envolvidas na pesquisa de petróleo no Centro e Norte de Moçambique, onde a existência de grandes quantidades de hidrocarbonetos é encarada como indício da existência de crude.

Com base na experiência do seu próprio país, Guiné- Equatorial, o terceiro maior produtor de petróleo na África Subsaariana, depois da Nigéria e de Angola, Donato Bidyogo afirmou que “o petróleo pode trazer desgraça, tornar-se numa maldição e não no maná que muitas vezes se pensa que é”.

“Por má-fé, as elites dominantes empreendem uma má gestão, uma má administração dos recursos petrolíferos e outros hidrocarbonetos, para serem os únicos a apropriar-se dos benefícios, tornando-os numa maldição”, sublinhou o jornalista, exilado em Espanha, quando falava numa palestra sobre “Petróleo e Subdesenvolvimento na Guiné-Equatorial”, promovida pelo Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE) de Moçambique.

Apesar de vir de um histórico de tirania e repressão desde os anos da independência nos anos de 1960, a Guiné-Equatorial viu a ditadura do Presidente Teodoro Nguema a incrementar o esmagamento dos direitos humanos e a perseguição aos opositores políticos, quando foi descoberto petróleo no início dos anos de 1990, recordou o jornalista e também docente universitário.

“A democracia que o regime estava a ensaiar antes da descoberta de petróleo transformou-se logo numa paródia, quando o país se viu com petróleo. As liberdades que se começavam a respeitar foram logo suprimidas”, enfatizou. Para Donato Bidyogo, a tortura e a intimidação podem ser usadas para reprimir qualquer tentativa de alguns sectores da sociedade de exigir transparência nas receitas de petróleo e assim deixar o campo aberto para o enriquecimento das oligarquias no poder ao tempo da descoberta de crude. “Na Guiné-Equatorial é normal inventarem-se golpes de Estado e alegados crimes contra a segurança do Estado como pretexto para colocar fora de acção opositores incómodos”, acrescentou.

Ainda segundo o jornalista, apesar de o petróleo ter permitido à Guiné-Equatorial ter um rendimento anual per capita de 50 mil dólares, acima de muitos países ricos, a produção de crude não evitou, entretanto, que o país tivesse mais de 50 porcento da sua população a viver com menos de um dólar por dia.

O meio ambiente degradou- se, a inflação disparou e a maioria da população perdeu a auto-suficiência na agricultura artesanal, passando a depender de produtos agrícolas importados dos países vizinhos, e os problemas ecológicos agudizaram-se, observou Donato Bidyogo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!