Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Restos de antigo continente são encontrados nas Ilhas Maurícias

Pesquisadores descobriram no Oceano Índico, sob as águas das Ilhas Maurícias, rastros de um antigo continente chamado Gondwana, que se desintegrou há 200 milhões de anos.

A descoberta, publicada esta semana na revista britânica “Nature Communications”, foi feita depois que zircones, minerais de 3 biliões de anos atrás, foram encontrados na superfície da ilha.

Os especialistas constataram que não era normal encontrar partes deste antigo mineral, que é produzido principalmente em rochas continentais, na superfície de uma ilha muito mais jovem, de 9 milhões de anos. Concluíram então que eram partes de um pedaço de crosta que posteriormente foi coberto por lava durante erupções vulcânicas na ilha.

O estudo, realizado pelo geólogo Lewis Ashwal, da Universidade de Witwatersrand, em Johanesburgo; Michael Wiedenbeck, do Centro Alemão de Pesquisas em Geociências (GFZ); e Trond Torsvik, da Universidade de Oslo, sustenta que os restos de zircon são muito antigos para pertencer as Ilhas Maurício. Eles estão convencidos de que se trata uma pequena parte do antigo continente que se rompeu da Ilha de Madagáscar, quando África, Índia, Austrália e Antárctida se separaram e formaram o Oceano Índico.

Segundo Ashwal, o fato de ter encontrado zircones dessa idade nas Ilhas Maurício prova que “existem materiais da crosta terrestre muito mais antigos, que só podiam ter origem em continente”.

De acordo com os resultados, a ruptura não envolveu “uma simples divisão do supercontinente Gondwana”, mas uma “fragmentação complexa que aconteceu com pedaços de crosta continental de tamanhos variados deixados à deriva dentro da bacia do Oceano Índico em evolução”.

O geólogo explica que os zircones são minerais que contêm urânio, tório e chumbo e, ao sobreviver muito bem ao processo geológico, passam a ter um rico registo de processos geológicos. Esta descoberta joga nova luz aos mecanismos das placas tectónicas e aos jovens epicentros oceânicos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!