Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Renamo quer que Parlamento debata criminalidade; PM apela à vigilância

Perante a onda de criminalidade que se tem registado na capital do país nos últimos dias, a bancada parlamentar da Renamo propôs à Assembleia da República (AR) o debate da segurança no país. A “perdiz” entende que este é um assunto urgente pois “cidadãos estão a ser violentados e mortos nas suas casas” e, por via disso, torna-se pertinente que o Parlamento se pronuncie em torno do assunto.

No entanto, a proposta não foi acolhida, tanto pela Presidente da AR, Verónica Macamo, que entende que incluir esta matéria na agenda desta sessão extraordinária seria ir contra a norma estabelecida no Regimento da “Casa do Povo.”

A Frelimo manifestou-se também contra aquela proposta, acusando a bancada adversária de pretender usar o sofrimento da população para “fomentar politiquice”. “Senhores deputados não se aproveitem do sofrimento das populações para fazer política baixa,” disse Galiza Matos Jr.

Entretanto, o deputado da Renamo, José Samo Gudo, mentor da “proposta”, defendeu que “dada a incapacidade demonstrada pela polícia moçambicana de combater o crime, o Governo deve alocar uma verba para as populações do bairro de Fomento, Khongolote, Tsalala, Nkombe e tantos outros das cidades da Matola e Maputo para que estes possam comprar catanas, machados, enxadas e ainda dar salários para os escalonados nas rondas nocturnas.”

“Senhora Presidente da Assembleia da República o que se verifica nesta revisão é a alocação de fundos para um grande número de áreas que não tiveram nada a ver com as cheias,” disse enquanto decorria o debate sobre a Revisão do Orçamento do Estado.

Por sua vez, a bancada do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) perante a onda de criminalidade que regista nos bairros periféricos, questiona: onde estão os polícias que de seis em seis meses são treinados em Matalane? Para não perguntar onde está a Força de Intervenção Rápida (FIR) que maltrata os que constitucionalmente manifestam e reivindicam os seus direitos? Não seria esta a oportunidade para a FIR mostrar a sua musculatura combatendo e maltratando os criminosos?

PM apela à vigilância

O Primeiro-Ministro (PM), Alberto Vaquina, na ocasião apelou à população para que mantenha vigilância, desmascarando os que tentam se apossar dos seus bens. À polícia ele alertou para que esta seja intransigente contra todos os que tentam perturbar a ordem e tranquilidade públicas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!