Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Referente a 2017: Apresentado o primeiro Relatório sobre o Mercado do Trabalho em Moçambique

O Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social (MITESS), lançou, recentemente, na cidade de Maputo, o primeiro Relatório do Mercado do Trabalho, referente ao ano 2017, durante o qual foram criados 557.637 postos de trabalho em todo o País, o que representa um crescimento de 36% em relação ao ano anterior.

De acordo com o documento, elaborado pela Direcção Nacional de Observação do Mercado do Trabalho, a cidade de Maputo foi a que registou maior crescimento (107.6%), seguida pela província de Inhambane (101.4%), enquanto a de Sofala teve o menor aumento (0.1%).

No que diz respeito à colocação de moçambicanos nas minas e farmas sul-africanas, os dados indicam que reduziu em 5.8% e 2.4%, respectivamente, uma situação que pode ser atribuída a razões estruturais do sector mineiro e da economia daquele país vizinho.

O Relatório do Mercado do Trabalho, referente ao ano 2017, foi lançado à margem do seminário do Dia Nórdico-Moçambique para o Crescimento Inclusivo, cuja cerimónia de abertura foi dirigida pela ministra do Trabalho, Emprego e Segurança Social, Vitória Diogo na presença das embaixadoras nórdicas, Laura Torvinen, Embaixadora da Finlândia; Anne Lene Dale, Embaixadora da Noruega e Marie Anderson de Frutos, Embaixadora da Suécia.

O documento, de entre outros assuntos, faz uma abordagem geral da situação geral do emprego no mundo, na região e no País, dos factores macroeconómicos e demográficos, das características do emprego, bem como o desempenho do ensino superior e técnico profissional.

Moçambique registou uma taxa de desemprego de 21.1%, o Produto Interno Bruto (PIB) decresceu para 3.7%, cifra abaixo dos 5.5% previstos, o que consubstancia os desafios que a economia do País enfrentou em 2017.

O emprego varia em função do tamanho da empresa (grande, média, pequena e micro empresa). Segundo informação estatística oficial 2017, existem no País um total de 61.579 empresas, empregando um total de 557.637 pessoas.

Maputo Cidade concentra maior número de empresas com 33.2% do total, seguido de Maputo Província com 11.7%, e Niassa tem menor com 2.8%. A nível de emprego, Maputo Cidade emprega mais pessoas com 41.7% do total, seguido de Maputo Província com 13.5% e Niassa a que menos emprego oferece, cifrando-se em 1.9%.

As Micro, Pequena e Medias Empresas representam 97.6% do total, reforçando a tendência global, por exemplo na União Europeia, onde 99.0% das empresas são constituídas por MPMEs, gerando 90 milhões de empregos e no caso concreto da Holanda, estas representam 98.8% do sector privado, contribuindo 31.0% no PIB e empregando 55.0% do total de empregos.

As admissões directas, que representam 44.8% do total dos empregos registados tiveram um aumento de 10.3% em relação ao ano anterior.

O auto-emprego registou um aumento, de entre outros, impulsionado pela distribuição de kits de diversas especialidades aos beneficiários de formação profissional.

A contratação de trabalhadores estrangeiros que representa 4.7% do total dos empregos registados em 2017, aumentou em 23.8%.

As instituições do ensino superior públicas e privadas graduaram 19,197 estudantes em oito àreas científicas, um aumento de 5.0%.

Do total dos graduados, 65.2% foram das instituições públicas, sendo, 56.6% homens contra 43.4% mulheres, enquanto dos 34.8% dos estudantes graduados das instituições privadas, 53.3% mulheres e 46.7% homens.

No período em análise as instituições públicas e privadas tinham 200.649 estudantes matriculados, sendo 59.8% das públicas e 40.2% das privadas.

O ensino técnico é constituído por 147 instituições, sendo 44.9% públicas, 37.4% privadas e 17.7% semi-públicas, oferecendo diversos cursos, sendo 55.1% do nível médio, 29.3% do nível básico e 15.6% do nível básico e médio.

Do total 17.7% encontravam-se em Nampula seguido de Maputo Cidade com 17.0%, enquanto Niassa e Cabo Delgado contaram com menos, 3.4% e 4.1%. Graduaram 11.618 estudantes, dos quais 63.3% homens e 36.7% mulheres, constatando-se uma redução de 1.0%.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!