Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rebeldes líbios oferecem amnistia a quem capturar Khadafi, vivo ou morto

Rebeldes líbios oferecem amnistia a quem capturar Khadafi

Três dias depois da chegada a Trípoli, e horas após terem entrado no complexo militar de Khadafi sem encontrar vestígios do coronel, os rebeldes líbios ofereceram amnistia a quem o capturar, vivo ou morto. O anúncio foi feito pelo líder do Conselho Nacional de Transição líbio, Mustafá Abdel Jalil, e o objectivo é convencer os próprios homens de Muammar Khadafi a entregarem o coronel aos rebeldes.

Pela captura de Khadafi está também a ser oferecida uma recompensa de 2 milhões de dinares líbios (cerca de 1,7 milhões de dólares). A recompensa foi oferecida por um empresário líbio que Jalil não identificou, e a oferta é uma tentativa de explorar as divisões entre as forças de Khadafi que integram mercenários contratados para defender o regime, sublinhou Jon Leyne, o correspondente da BBC em Bengasi, o bastião dos rebeldes. “O Conselho Nacional de Transição anuncia que qualquer pessoa do círculo de Khadafi que o capturar ou matar terá uma amnistia e perdão por qualquer crime que tenha cometido”, anunciou Jalil em conferência de imprensa. “O regime de Khadafi não acaba enquanto ele não for capturado, vivo ou morto”, adiantou.

Junto ao complexo militar de Bab al-Aziziyah, que ontem foi tomado pelos rebeldes e onde se pensava que Khadafi poderia estar, continua a haver confrontos entre as forças do CNT e soldados leais ao regime. E o hotel Rixos, onde estão mais de 30 jornalistas estrangeiros, continua cercado pelas forças de Khadafi que já terão perdido o controlo de cerca de 95 por cento do território líbio, segundo um porta-voz dos rebeldes citado pela estação de televisão Al-Jazira.

O coronel não aparece em público desde Junho, mas na última madrugada voltou a dirigir-se aos líbios e não esmoreceu o seu tom de desafio. Já depois de os rebeldes tomarem o complexo fortificado que lhe servia de último bastião em Trípoli, jurou continuar a lutar contra a “agressão” ao seu regime. E adiantou que a retirada de Bab al-Aziziyah foi “táctica”. A mensagem áudio tinha sido gravada previamente, Khadafi permanece escondido em parte incerta.

De Trípoli chegam relatos de confrontos em vários pontos da cidade, mas sobretudo no bairro do complexo de Bab al-Aziziyah. O correspondente da AFP no local descreveu grossas colunas de fumo e disparos de armas ligeiras e pesadas. A jornalista da BBC News Rana Jawad, que se encontra na zona leste da capital líbia, relata que ali “as coisas estão muito mais calmas”. “Os disparos de celebração [da tomada da cidade] já pararam completamente, mas permanece um ambiente de nervosismo entre os residentes de que a luta ainda não acabou”.

Não se sabe quantas pessoas morreram nos confrontos na capital líbia, mas uma estimativa dos rebeldes aponta para cerca de 400 mortos e 2000 feridos. Na capital, uma das principais preocupações é agora a situação humanitária, porque a comida começa a escassear e faltam medicamentos nos hospitais. Um médico que trabalha no hospital central de Trípoli contou à BBC que na terça-feira tratou mais de 30 pessoas com vários ferimentos e que pelo menos 15 rebeldes morreram. “Ter um cirurgião no local talvez tivesse evitado algumas destas mortes”.

Khadafi pensa que pode desaparecer na Líbia

Abdel Salam Jalloud era um colaborador próximo de Khadafi até se juntar à rebelião, a poucos dias da tomada de Trípoli. Agora, em declarações à estação de televisão Al-Jazira, disse que o coronel “está iludido porque pensa que pode desaparecer na Líbia e regressar quando a NATO partir”. E adiantou que o homem que liderou a Líbia durante 42 anos deverá estar ainda em Trípoli. “Os rebeldes irão abrir as estradas, e depois de o fazerem ele poderá vestir-se com roupas de mulher e deixar Trípoli em direcção à fronteira com a Argélia ou o Chade. Ele está bêbedo de poder”.

O paradeiro de Khadafi tem dado origem a vários rumores e especulações. Um dos locais onde se pensa que estará escondido é Sirte, a sua cidade natal. Daí foram disparados mísseis Scud em direcção a Misurata que terão sido interceptados pela Marinha norte-americana. É para Sirte que se encaminham os rebeldes líbios, que hoje entraram em confronto com as forças de Khadafi em Ben Jawad, no Leste do país.

“Foi inesperado. Acreditámos que eles se renderiam após a entrada em Bab al-Aziziyah”, admitiu o comandante militar da frente Leste, Fawzi Boukatif. Mas não foi assim. As forças de Khadafi criaram uma linha defensiva para travar o acesso a Sirte, que poderá vir a ser palco de violentos confrontos. Será aí, afinal, que se travará a última batalha da revolta líbia.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!