Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rebeldes islâmicos da Somália condenam refém francês à morte

Os militantes somalis ligados à Al Qaeda disseram, esta Quarta-feira (16), que condenaram um agente francês à morte depois de uma tentativa frustrada das forças francesas de resgatá-lo no fim de semana.

A Al Shabaab disse em comunicado que a decisão de matar Denis Allex, mantido refém na Somália desde 2009, foi unânime e ocorreu depois de três anos do que eles chamaram de “exaustivas tentativas de negociações” sobre a sua libertação.

“Com a tentativa de resgate… a França assinou voluntariamente o mandado de morte de Allex”, disseram os militantes num comunicado enviado por email, que também foi publicado no Twitter oficial do grupo.

Os militantes impuseram uma resistência feroz quando os comandos franceses voaram para o sul da Somália de helicóptero, protegidos pela escuridão na madrugada de Sábado, para tentar libertar Allex.

Mais tarde no mesmo dia, o governo francês afirmou acreditar que o seu refém havia sido morto. O ataque para libertar Allex coincidiu com o início dos ataques aéreos franceses contra rebeldes afiliados à Al Qaeda no Mali, na África Ocidental, embora o ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, tenha afirmado que as duas operações militares não estavam relacionadas.

Quarta-feira, o chefe de Estado-Maior das Forças Armadas francesas, Edouard Guillard, disse à rádio Europe 1 não haver nada que sugerisse que Allex estivesse vivo desde a invasão.

“Acreditamos que é provável que ele esteja morto”, informou Guillard. Não ficou imediatamente claro se os rebeldes estavam a dizer que já haviam matado Allex. “É o governo da França… que deve assumir a total responsabilidade pela morte de Allex”, disse a Al Shabaab.

Allex foi um dos dois oficiais da agência de inteligência DGSE sequestrado pela Al Shabaab em Mogadíscio, em Julho de 2009. O seu colega Marc Aubriere escapou um mês depois, mas Allex está preso desde então em condições que o governo francês afirmava serem “desumanas”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!