Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Rebelde islâmico é condenado a 9 anos de prisão por destruição em Timbuktu

Juízes de crimes de guerra condenaram a 9 anos de prisão nesta terça-feira um ex-rebelde islâmico que admitiu ter destruído santuários sagrados durante o conflito de 2012 no Mali, o primeiro caso do tipo a se ocupar da destruição de património cultural.

Durante um julgamento curto no Tribunal Penal Internacional ocorrido em agosto, Ahmad al-Faqi al-Mahdi pediu perdão e disse que se deixou levar por uma “onda maligna” dos grupos islâmicos Al Qaeda e Ansar Dine, que assumiram o controle dos antigos santuários durante um breve período.

Em Junho e Julho de 2012, “10 dos sítios mais importantes e conhecidos de Timbuktu foram atacados e destruídos… uma actividade de guerra que visou atingir a alma do povo”, disse o juiz que presidiu o julgamento, Raul Pangalangan.

Os promotores haviam pedido uma pena de 9 a 11 anos para Al-Mahdi, que permaneceu sentado em silêncio e assentiu quando o veredicto foi lido.

Os juízes disseram que a sentença levou em conta a demonstração de remorso de Al-Mahdi e a sua cooperação com a corte.

Al-Mahdi admitiu o seu envolvimento na destruição de mausoléus históricos e santuários religiosos de suma importância localizados em Timbuktu que datam do século 14, a era de ouro do Mali, durante a qual o país foi um pólo comercial e centro do sufismo, um ramo do islamismo visto como idólatra por alguns grupos muçulmanos radicais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!