Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Caça-imigrantes” búlgaros, de heróis a problema para o governo

A complacência das autoridades búlgaras com os primeiros grupos nacionalistas que patrulhavam a fronteira com a Turquia para deter a imigração ilegal transformou-se num problema perante a proliferação destes indivíduos que buscam os holofotes.

As autoridades tiveram que intervir depois que um grupo nacionalista, denominado “Destacamentos Civis para Defender às Mulheres e à Fé”, divulgou na segunda-feira um vídeo sobre a “detenção” de três aterrorizados imigrantes, que foram algemados e ameaçados.

Nas filmagens, feitas no domingo, vários indivíduos com o rosto coberto e usando roupa militar eram vistos algemando três imigrantes que ouviam ameaças em um inglês rudimentar com frases como “Voltem à Turquia” e “A Bulgária não é para vocês”. Os nacionalistas confessaram mais tarde que devolveram os imigrantes a solo turco, algo ilegal.

A ministra do Interior, Rumiana Bachvarova, condenou essa acção e garantiu que a partir de agora a polícia vigiará tanto para que imigrantes ilegais não cruzem a fronteira quanto para que esses grupos nacionalistas não actuem mais.

“É inaceitável que qualquer civil que pretenda ser patriota e que diz estar passeando em uma região de fronteira, decida reter e devolver imigrantes”, escreveu ela no seu perfil na rede social Facebook.

Vários jornais búlgaros dizem que estes grupos de civis têm vínculos com máfias locais e que roubam dinheiro e objectos de valor dos imigrantes. Foi revelado também que por trás do último vídeo está Petar Nizamov, de 31 anos, morador da cidade de Burgas e condenado no passado por agressões e venda de drogas.

“Eles saltaram de trás dos arbustos e atacaram-nos. Nós os imobilizamos com técnicas de defesa pessoal, sem agredir, e os prendemos com tiras de plástico porque eram agressivos”, explicou Nizamov ao canal “Nova TV” após reconhecer que é o autor do vídeo.

Segundo o seu relato, ele tentou chamar à polícia e como não havia sinal no celular decidiram acompanhar os imigrantes até a fronteira turca, situada a um quilómetro, onde os libertaram e os obrigaram a atravessar em direcção à Turquia. “Passeamos pela área de fronteira para proteger à pátria de imigrantes ilegais e policiais corruptos”, acrescentou Nizamov.

A procuradoria regional de Burgas abriu uma investigação por “detenção ilegal de três imigrantes do Afeganistão perto da cidade fronteiriça de Zvezdets”. Segundo o comunicado da procuradoria, o Código Penal prevê pena de até seis anos de prisão e a polícia está interrogando os imigrantes para identificar os agressores.

Na semana passada, outro grupo de nacionalistas, auto denominado “Organização para a Proteção dos Cidadãos Búlgaros”, reteve 23 imigrantes do Afeganistão numa região próxima.

A mesma organização convocou no final do Março uma manifestação em apoio a Dinko Valev, um vendedor de auto peças que deteve um grupo de refugiados sírios e se tornou celebridade nacional, apelidado pela imprensa como “o caçador de imigrantes”.

Valev, que se define como um patriota e diz que o país precisa de mais pessoas como ele, foi entrevistado por vários veículos de comunicação internacionais e era apenas questão de tempo para que outros também se tornassem famosos.

Numa pesquisa da emissora de TV estatal “BNT” divulgada na segunda-feira, 84% dos entrevistados apoiaram estas milícias civis e só 16% mostrou-se contra.

O governo búlgaro, por sua vez, teme que os imigrantes bloqueados na Grécia possam a ir a seu território, razão pela qual está instalando uma cerca de 160 quilómetros com a fronteira turca. O primeiro-ministro, o conservador Boiko Borisov, longe de ofender-se pela acção destes grupos, parabenizou e até determinou a condecoração na semana passada dos que detiveram os 23 imigrantes afegãos.

“Falei pessoalmente com eles e dei os parabéns. O Estado é de todos e aqueles que nos ajudem na sua protecção merece agradecimento”, declarou Borisov à imprensa.

Após a ordem do líder búlgaro, o chefe de Polícia de Fronteira, Antonio Angelov, reuniu-se com membros dessa organização e os condecorou. Mais tarde, o primeiro-ministro escreveu na rede social Facebook que as suas declarações tinham sido mal interpretadas. “O Estado não tolerará qualquer violação dos direitos e nenhum tratamento desumano”, escreveu o líder búlgaro.

Mesmo assim, o Bulgarian Helsinki Committee, uma ONG de defesa dos direitos humanos, criticou o fato de Borisov ter “expressado apoio às operações de caça de imigrantes”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!