Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Município de Maputo suspende obras ao longo da orla marítima para protecção do mangal

O Município de Maputo poderá suspender atribuição de licenças para o desenvolvimento de actividades na zona costeira, uma medida que visa evitar o desaparecimento do mangal da Costa do Sol, já em avançado estado de degradação.

O mangal da Costa do Sol estende-se desde o centro da capital moçambicana até a foz do rio Incomáti, no distrito de Marracuene, província de Maputo, numa extensão de cerca de 30 quilómetros.

Resultados preliminares da pesquisa sobre “Zoneamento e protecção ambiental do mangal do bairro da Costa do Sol”, realizada pela organização francesa Ingerop, indicam que o mangal desta zona, particularmente na área da cidade de Maputo, foi “invadido” por diversas infra-estruturas, havendo por isso a possibilidade de provocar “enormes problemas de drenagem”.

“O mangal foi parcialmente invadido e agora é preciso evitar que seja totalmente destruído”, disse Rui Melo, da Ingerop Moçambique, falando durante o seminário sobre o desenho e implementação de um plano de zoneamento e protecção ambiental do mangal desta área.

Segundo Melo, a pesquisa recomenda a suspensão da atribuição de licenças para a agricultura familiar, bem como para a construção de infraestruturas ao longo da zona do mangal, enquanto não houver um plano efectivo de ordenamento territorial adequado sobre essa matéria.

Presente o seminário, o vereador municipal para Planeamento Urbano e Meio Ambiente, Luís Nhaca, disse que as recomendações desta pesquisa vão ser analisadas pela edilidade e depois implementadas.

“Muitas habitações que ocupam a zona do mangal estão licenciadas. Outras obras, outrora clandestinas, também já foram regularizadas. Isso era antes deste estudo”, disse Nhaca, assegurando que a pesquisa vai servir de base para iniciativas futuras, particularmente para regular o uso e aproveitamento do mangal da Costa do Sol.

Nhaca reconheceu que o surgimento de assentamentos informais, agravado pela fraca capacidade de fiscalização por parte do Município, está a prejudicar o equilíbrio ecológico na cidade de Maputo.

“O pântano da cidade de Maputo já foi invadido. Boa parte de edifícios construídos no Triunfo e em outros bairros estarão submersos no futuro”, disse ele, advertindo que o nível das águas do mar tende a subir naquela zona.

Igualmente, este projecto de zoneamento actualmente em debate vai definir os limites do mangal da Costa do Sol, podendo depois se colocar um posto de fiscalização.

A pesquisa, cuja versão preliminar foi apresentada hoje para auscultação, faz parte de um conjunto de quatro consultorias financiadas pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) no âmbito de projecto “Iniciativa Cidades e Mudanças Climáticas” que o Município de Maputo aderiu no ano passado.

Outros estudos estão relacionados com a regulamentação do solo urbano, revisão da legislação ambiental, dados meteorológicos da cidade de Maputo, cujo custo está calculado em 350 mil dólares americanos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!