Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Prostituição masculina – A turminha gay

Prostituição masculina - A turminha gay

A miséria extrema faz com que a prostituição masculina de menores comece a ganhar cada vez mais aderentes, principalmente na zona de Maputo. Um adolescente que diariamente se prostitua chega a arrecadar mensalmente 1300 USD, números que nem nos melhores sonhos algum dia terão imaginado ganhar. Os clientes, esses, são maioritariamente estrangeiros e com idade para, em muitos casos, ser seus avôs.

Todas as tardes, Darito, menino de 15 anos há 5 anos órfão de mãe, apanha o “chapa” em Mapswansene, Matola, onde mora com o pai, rumo à cidade de Maputo. Antes, toma banho e veste roupas de marca. Até amanhecer, a sua casa será uma das discotecas renomadas de Maputo, onde presta os seus serviços vendendo o corpo a homossexuais.

A pressão exercida pelo pai para arranjar dinheiro, faz com que esta triste realidade, vivida por Dário e por muitos outros, seja tolerada por muitas famílias miseráveis, para as quais os 2,5 meticais de um pão faz a diferença entre a sobrevivência muito precária e a fome absoluta. Darito é nome fi ctício atrás do qual se esconde um jovem adolescente e a sua verdadeira história. A vida deste rapaz, que desde o mês passado já exibe notas de dólares no bolso, nas últimas semanas tem sido ir a discotecas renomadas do Maputo à procura de encontros.

Não é o único a fazê-lo por aqui, mas é o que nos últimos dias mais tem dado nas vistas. Conversas sobre ele enchem os ouvidos dos moradores do Bairro Central “B”, onde faz escala técnica, ante a complicidade e a conivência de quase todos. Todos comentam, apontam, acusam e, se possível, molham na “sopa” também. Às vezes, quando o prejuízo não lhes cai em cima, até acham graça e riem-se dele.

Vítimas da ilusão e cumplicidade. Apertados pelo custo de vida e sem perspectivas por falta de vagas nas escolas públicas, quem tem em casa alguém como Darito tem ganha-pão garantido. Os seus fi lhos relacionam- se com adultos homossexuais que não se importam de pagar entre 150 a 200 dólares por uma sessão anal. Adolescente que até há bem pouco tempo pertencia ao vasto e indiferenciado mundo das crianças, Dário tem hoje voz activa em casa, na rua, no bar. “Sei muito bem o que quero: transar, sair com os amigos e consumir como os ‘kotas”.

 

Dinheiro fácil

 

A história de Darito e da sua ingenuidade perante uma vida, rodeada de mil ratoeiras como a SIDA, não pode deixar-nos indiferentes, sobretudo quando este revela que “eles [os gays] exigem que lhes penetremos no ânus sem preservativo.” Esta frase é pronunciada sem receio do grupo que está à sua volta porque “estão todos a beber à minha conta.” Os proprietários deste tipo de locais sabem que ele e seus companheiros não têm 18 anos, a idade mínima de entrada nestes espaços. Nem tampouco querem saber onde arranjam tanto dinheiro para gastar ali horas a fio.

Agarrado ao telemóvel que o “novo pai” lhe comprou depois do penúltimo “namoro”, o novo gay de palmo e meio lê os “sms” enviados pelos clientes e amiguinhos cúmplices. Talvez seja por isso que duas das suas três irmãs não querem saber dos perigos que Darito corre ao enveredar pela prostituição masculina.

Porém, a irmã mais velha, casada, estudante universitária e operária numa firma, caiu de costas quando soube que seu irmãozinho abraçou o caminho errado em todos os sentidos. A mana mais velha tenta dissuadi-lo com promessas do género “para o ano pago-te a escola, mas para tal tens de deixar isso.” Todavia, tudo em vão. O “menino” que virou garoto-programa já adquiriru um alto poder de compra, recusando-se a recuar para a condição de extrema carência.

Nunca nos seus 15 anos de vida teve tanto dinheiro nas mãos e tamanha autonomia para decidir o que fazer com ele. Com ele compra roupas, cosméticos, perfumes. Também organiza festas de danças em horário avançado: começam por volta das 21 horas, e podem ir até às 5 horas. Nesse submundo, Darito odeia a presença de quem procura avisá-lo sobre os perigos que corre.

 

A génese da desgraça

Tudo começou quando, numa sexta-feira de Novembro, indeciso e sem dinheiro para apanhar um táxi para Mapswanswene decidiu continuar a curtir, pernoitando numa das discotecas mais badaladas da capital. A pouca idade e a pele clara, provocaram a cobiça dos homossexuais em fim de noite.

Nesta altura é difícil parar os desejos sexuais de quem está determinado a ter uma relação nessa noite. “Pagam qualquer coisa para satisfazer os seus desejos.” Poucos dias antes, Darito era visto sempre com a mesma roupa a mendigar comida e bebida. Hoje, este morador dos subúrbios, chega a sair com dois a três clientes por noite. “Quando me oferecem mais faço sexo oral ou anal sem preservativo”, esclarece, acrescentanto “nós temos sempre camisinha mas os “papás” não gostam de usar e nós ganhamos um extra de 50 ou 100 USD. No máximo pode render 200 USD.

” Conformo pudemos perscrutar da boca de adolescentes entre os 14 e 16 anos, o fenómeno encontra-se em franca expansão. Para eles, o local preferido para o “ataque” são as discotecas renomadas da Polana, Sommerschield, Baixa. Aqui há tudo o que precisam: homossexuais com muito dinheiro para pagar as cópulas anais, bebida, som e luz.

 

Perto do sinal vermelho

O sinal vermelho, porém, pisca quando, para serem felizes, estes adolescentes necessitam cada vez mais de novas roupas de marca, telemóveis topo de gama, computadores, enfim, a bolsa da moda. O perigo de se formar uma geração movida para armadilhado mundo gay apenas pelo desejo monetário, pois não têm orientação biológica mas sim monetária, incapaz de encarar uma vontade não realizada.

“Como estão adquirindo poder de compra antes da hora, alguns podem transformar-se, na fase adulta, em perigosos tiranos, assim que se tornarem menos atraentes “, alerta o sociólogo Shareef Malundah. Para este académico a responsabilidade não pode ser assacada exclusivamente à família nem ao Estado. “O adolescente tem de ter consciência que é vítima de forma a criar uma perspectiva de mudança”, conclui Malundah.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!