Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Projecto de gás natural regista sucessos

O projecto de gás natural de Pande e Temane, na província moçambicana de Inhambane, tem vindo a funcionar com sucesso desde o seu arranque em Marco de 2004, tendo as vendas deste produto e seus derivados atingido mais de 230 milhões de dólares norte-americanos, em 2008.

Segundo a Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, no ano passado, as vendas de gás Projecto de gás natural regista sucessos Damião Trape, da AIM, em Vilanculos natural e condensado atingiram a fasquia de 177 milhões e 55 milhões de dólares, respectivamente.

Falando na abertura, esta terça-feira, do 24º Conselho Coordenador do Ministério dos Recursos Minerais, a decorrer até Sexta-feira na vila municipal de Vilanculos, província de Inhambane, Sul de Moçambique, Bias disse que o volume de reservas geológicas deste recurso e as solicitações de mercado quer para o consumo nacional quer para exportação tem vindo a aumentar.

Foi em reconhecimento deste feito que o Governo, de acordo com a Ministra, aprovou, este ano, o Plano de Desenvolvimento para a ampliação da capacidade das instalações, que ira permitir que em 2011 o volume de produção aumente para cerca de 50 por cento. “É com satisfação que constatamos que, para alem da contribuição significativa da exploração do gás natural para as receitas fiscais arrecadadas pelo Estado e que até finais de 2008 atingiram o valor de 42 milhões de dólares americanos, a população desta zona tem igualmente beneficiado de implementação de projectos sociais, nas áreas de educação, saúde, abastecimento de agua e outros, financiados pela Sasol e pela Companhia de Hidrocarbonetos”, disse Bias.

Ela vincou que o gás produzido em Moçambique tem vindo a substituir uma parte dos derivados de petróleo importados que eram utilizados na geração de electricidade e na substituição de combustíveis de queima em varias industrias na cintura industrial de Maputo, como são os casos de utilização de gás na fundição de Alumínio Mozal e na fabrica de Cimentos de Moçambique, entre outras.

Segundo dados constantes do relatório de actividades 2004/2009, apresentado no encontro, a produção do gás natural dos jazigos de Temane e Pande atingiu mais de 120 milhões de Gigajoules no ano passado, maioritariamente para a exportação. Em 2004, a produção do gás natural no país foi de pouco mais de 60 milhões de Gigajoul.

Esta tendência crescente registouse também no que diz respeito aos condensados, cuja produção passou de pouco mais de 300 mil bbl (unidade de medição), em 2004, para mais de 800 mil bbl, em 2007. No âmbito da responsabilidade social levado a cabo pelas empresas da área de hidrocarbonetos, segundo o relatório, foi criado o Fundo de Desenvolvimento Comunitário, tendo sido aplicados cinco milhões de dólares norteamericanos em vários projectos das zonas onde estas estão implantadas.

Alias, na área de hidrocarbonetos, de acordo com a Ministra, assiste-se um aumento significativo de investimentos e procura de novas áreas de pesquisa nos últimos anos, em virtude da subida vertiginosa do preço de petróleo a nível internacional, facto que também se reflectiu em Moçambique.

É neste contexto que serão investidos, ate ao final do quinquénio, acima de 800 milhões de dólares norteamericanos. Na sequencia desta demanda, foram realizados diversos trabalhos de prospecção sísmica na bacia do Rovuma, executados dois furos de pesquisa em terra na província de Sofala e igual numero em mar na província de Inhambane, tendo estes últimos resultado em novas descobertas de gás natural.

Segundo a Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, dos 14 contratos de pesquisa e produção de petróleo, um em terra e outro no mar na área do Zambeze foram dados como terminados por as companhias envolvidas terem decidido não prosseguir com os períodos subsequentes de pesquisa, após terem cumprido com as suas obrigações contratuais do trabalho mínimo de pesquisa.

De referir que devido ao elevado interesse manifestado por diversas empresas e companhias, nacionais e estrangeiras, o Governo aprovou, em Março último, a Estratégia para o licenciamento de Áreas de Pesquisa de Hidrocarbonetos. No prosseguimento dos seus trabalhos, o 24º Conselho Coordenador passou em revista outras realizações nas componentes Geológica, Mineira, para alem da dos Hidrocarbonetos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!