Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Profanação de campas leva quatro cidadãos às celas em Murrupula

Quatro indivíduos, três dos quais professores afectos a diferentes instituições de ensino no distrito de Murrupula, na província de Nampula, estão a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM), desde a semana passada, indiciados de destruição de túmulos com o objectivo de obter ossadas para fins ainda não conhecidos.

Os visados confessam o seu envolvimento no acto e explicam que os ossos dos cadáveres seriam vendidos a um comerciante que responde pelo nome de Simão, no distrito de Ribéuè, em Nampula, o qual prometeu 80 mil meticais, segundo um dos acusados.

Um dos indivíduos que assumiram a culpa disse também que protagoniza este tipo de acções desde o ano de 2013 e o seu comprador era o cidadão acima referido, por sinal empresário. A dado momento das suas declarações, o nosso interlocutor contradiz-se ao afirmar que o seu cliente de ossos humanos perdeu a vida em Fevereiro deste ano, vítima de um acidente de viação.

Por sua vez, Sérgio Mourinho, porta-voz da PRM em Nampula, contou que os seus colegas do distrito de Murrupula detiveram o grupo a que nos referimos na posse de 12 ossadas. Em declarações ao @Verdade, o agente da Lei e Ordem disse que as autoridades tomaram conhecimento do caso através de uma denúncia de um dos familiares da vítima mortal cuja campa foi profanada, acto descoberto quando o queixoso pretendia limpar o túmulo do seu ente querido.

Agastados com a situação, os parentes do defunto cujo sepulcro foi vandalizado não contiveram as lágrimas e pediram à Polícia para que assegure que os implicados no caso sejam levados à barra do tribunal para que haja justiça. Aliás, eles exigem a devolução dos ossos em posse da corporação policial para que possam realizar uma nova cerimónia fúnebre do seu ente querido.

De acordo com Sérgio Mourinho, à luz do artigo 247, do Código Penal, este tipo de crime denomina-se “violação de túmulos e quebra de respeito dos mortos”. A penalização pode ser de um ano de prisão, para além de multa no valor de um milhão e meio de meticais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!