Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ProCredit emite empréstimo obrigacionista na BVM

O Banco ProCredit emitiu, no início do presente ano, um empréstimo obrigacionista no valor de 75 milhões de Meticais (3 milhões de dólares norte-americanos) na Bolsa de Valores de Moçambique (BVM), com uma maturação de cinco anos (2009-2014).

O período de subscrição do empréstimo decorreu de 2 à 23 de Fevereiro deste ano e a sua liquidação foi realizada no dia 27 do mesmo mes. De acordo o director financeiro daquela instituição bancária, Zulficar Buraimo, com os valores do empréstimo, o Banco ProCredit pretende dar continuidade a expansão da sua rede de agências, desenvolver e introduzir produtos inovadores e modernos, como o cartão Visa Electron.

Com este montante, a instituição vai, ainda, investir na construção das infraestruturas do seu Centro de Formação, de modo a melhorar as condições de formação e treinamento dos seus colaboradores, visando oferecer serviços com mais qualidade e profissionalismo.

Por outro lado, com esta operação obrigacionista, o ProCredit pretende oferecer aos investidores a oportunidade de aplicarem os seus fundos à longo prazo, gerir da melhor forma a sua liquidez, ganhar a sua autonomia relativamente às suas actuais fontes de financiamentos, que são os bancos locais e instituições estrangeiras.
O Procredit almeja, ainda, criar sustentabilidade das suas actuais aspirações de crescimento e afirmação no mercado moçambicano. “Este resultado demonstra o nível de confiança que os clientes, investidores e o público em geral têm vindo a depositar neste banco, apesar da actual conjuntura internacional criar incertezas para o futuro.

Os investidores locais têm conhecimento que o Banco ProCredit é uma instituição bancária que aposta na transparência e responsabilidade em todas as suas actividades”, referiu a fonte. Buraimo sublinhou que a cotação das obrigações do ProCredit na BVM tem em vista contribuir no desenvolvimento do mercado de capitais e do sector financeiro moçambicano no geral.

“Nós pretendemos, igualmente, oferecer serviços menos penalizantes aos parceiros, uma vez que, na legislação nacional, a tributação dos rendimentos dos valores mobiliários cotados na Bolsa de Valores é relativamente baixa em relação aos não cotados, o que constitui uma mais valia para os investidores”, salientou.

O Banco Procredit Moçambique conta com um número total de 705 trabalhadores e 19 agências em todo o país, com excepção de Inhambane, Niassa e Cabo-Delgado. De acordo com Zulficar Buraimo, em 2008, o crescimento em termos de expansão foi de 60 por cento, tendo em conta que no ano anterior aquele banco tinha apenas 12 agências e 537 trabalhadores.

A grande aposta para o presente ano é a abertura de pequenas agências nas zonas rurais, viradas para os sectores da agricultura e poupança, sobretudo em Chimoio, Tete, Quelimane e Nacala. O Banco Procredit é uma instituição internacional, englobando uma rede mundial constituída por 22 bancos, que funcionam em países da Europa do Leste, América Latina e África, com enfoque nos países em desenvolvimento e economias em fase de transição.

Nas suas operações de crédito, este banco centra-se no empréstimo às empresas muito pequenas, pequenas e médias, dado que, segundo a sua política, é nestes negócios que se cria maior número de empregos que contribuem de forma vital para as economias.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!