Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Primeira-Ministra empossa directores do ESJ E ISAC

A primeira-ministra moçambicana, Luísa Diogo, defendeu quarta-feira, em Maputo, a necessidade de formação de profissionais capazes de participar no desenvolvimento artístico-cultural e de praticar um jornalismo evoluído. A governante moçambicana falava na cerimónia de investidura dos directores da Escola Superior de Jornalismo (ESJ), Tomás Jane, e do Instituto Superior de Artes e Cultura (ISAC), António Carrasco, bem como do director-adjunto desta última instituição de ensino, Filemone Meigos.

Segundo a primeira-ministra, a criação das duas instituições públicas visa diminuir a desigualdade de acesso à arte, cultura e à informação, sem perder de vista a inserção regional e internacional do país no debate sobre a contribuição destas áreas no desenvolvimento global.

Diogo considerou que a investidura dos quadros em referência constitui um passo importante nos esforços em curso para a expansão do ensino superior em Moçambique, a melhoria da qualidade bem como o preenchimento de lacunas na área de formação de profissionais destas áreas de especialidade. Com sede na cidade da Matola, província de Maputo, o ISAC é uma instituição que se destina a formar os criadores, técnicos e administradores culturais nas diferentes áreas e articular o diálogo de saberes entre diferentes domínios da actividade artístico-cultural e social.

Para a primeira-ministra, o ISAC – primeiro instituto de género nos países africanos da língua portuguesa – vai servir não só a Moçambique como também a outros países da região, significando, desse modo, maior extensão de mercado. Por sua vez, a ESJ, cujos desafios também são enormes, iniciou suas actividades em Março deste ano com um universo de 75 alunos, administrando cursos de licenciatura em jornalismo, relações públicas e publicidade e marketing.

A partir do próximo ano lectivo, a ESJ prevê introduzir mais dois cursos, um de Biblioteconomia e outro de Gestão dos Media. Diogo disse ainda que “o governo está ciente destes desafios, pois tem a certeza de que, para que haja qualidade de relevância dos cursos a oferecer e dos graduados saídos das nossas instituições do ensino superior, é imperioso responder aos desafios da integração e da competitividade regional e internacional, através de acções tendentes a harmonização do nosso sistema com o dos países da SADC”.

Para se atingir aos tais objectivos, Diogo insistiu na promoção da garantia da qualidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!