Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente santomense indulta reclusos

O Presidente santomense, Manuel Pinto Costa, decretou um indulto aos reclusos detidos há cinco anos na cadeia central e que cumpriram um terço ou um quarto das suas penas por crimes de homicídio, burla, furto e violência, soube-se de fonte oficial, este fim de semana, em São Tomé.

O decreto presidencial divulgado pela imprensa terá efeito a partir de 7 de Janeiro de 2013 e nesta altura será conhecido o número de presos contemplados pela clemência do chefe do Estado santomense.

Manuel Pinto da Costa justifica a sua decisão considerando que o momento justifica o gesto de clemência, humanidade e tolerância para com aqueles que se encontram privados da liberdade.

De acordo com o decreto a que a PANA teve acesso, são indultadas as penas aplicadas aos agentes primários que foram condenados com sentença transitada em julgado, por crime cuja pena máxima abstractamente aplicável seja igual ou inferior a cinco anos e que já tenham cumprido um quarto da pena concretamente aplicada.

São ainda reduzidas em um terço as penas aplicadas aos agentes primários que cometeram crimes cuja pena máxima seja superior a cinco anos e não envolva atentado à liberdade e auto determinação sexual.

Contactado por telefone pela PANA, Anatásio de Sousa, director dos serviços prisionais e reinserção social, disse que recebeu com satisfação a medida e que o indulto irá diminuir o número de reclusos nos estabelecimentos prisionais.

Afirmou que a cadeia central, situada nos arredores da capital santomense, encontra-se repleta, adiantando que, além das condições do edifício, o estado tem dificuldades para alimentar cerca de duzentos detidos todos os dias.

Elsa Ten Jua, ministra da Justiça e Assuntos Parlamentares, que na última sexta-feira realizou uma visita ao estabelecimento prisional de São Tomé reconheceu que o edifício ”se encontra em muito mau estado de conservação e sob ameaça”.

Segundo ela, no estabelecimento penitenciário pôde ouvir os reclusos e visitar todos os compartimentos do edifício.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!