Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente eleito do Egito começa a trabalhar em coligação

Mohamed Mursi, o primeiro presidente eleito livremente no Egito cujos poderes começou a trabalhar numa coligação nesta segunda-feira após visitar o seu novo palácio, que no passado serviu de casa para Hosni Mubarak.

Declarado vencedor no domingo, uma semana após a votação tumultuosa que o colocou contra um ex-chefe da força aérea, o islamista enfrenta o desafio de atender às altíssimas expectativas de uma nação cansada de turbulência, ao mesmo tempo em que a economia está em dificuldades.

A sua promessa de campanha de concluir a revolução que derrubou Mubarak no ano passado, mas deixou os pilares de seu governo intactos, virá contra os interesses dos generais que estão encarregados da transição para a democracia.

Pouco antes da votação presidencial histórica, um recém-eleito parlamento liderado por islâmicos foi dissolvido pelo Exército com base em uma ordem judicial, e os generais emitiram um decreto estabelecendo limites ao mandato do presidente, que restringe as ações de Mursi, mas o expõe à culpa por quaisquer falhas. Críticos em casa e no Ocidente chamaram isso de “golpe suave”.

Uma preocupação do presidente será reanimar a economia do país mais populoso do mundo árabe. A vitória teve um impacto imediato para além das fronteiras do Egito, inspirando islâmicos que se levantaram contra os autocratas no Oriente Médio e chegaram ao poder no Norte da África. Israel teme que seu acordo de paz de 1979 com o Egito possa esfriar ainda mais.

O Irão viu a eleição como um “despertar islâmico” – apesar de Teerão e da Irmandade Muçulmana seguirem formas diferentes, muitas vezes contrárias, de fé.

DRAMÁTICA REVERSÃO DO DESTINO

Um oficial de segurança disse que Mursi, 60 anos, e sua esposa fizeram um tour pelo novo lar, no passado a residência principal de Mubarak – uma mudança dramática do destino, cheia de simbolismo para um ex-prisioneiro político, cujo grupo foi perseguido implacavelmente durante o governo de 30 anos de Mubarak.

Um assessor disse que Mursi, em seguida, foi para o Ministério da Defesa para conversações com o chefe do conselho militar, marechal Hussein Tantawi, e o primeiro-ministro nomeado pelo exército, Kamal al-Ganzouri. Eles discutiram a formação de um novo governo nas reuniões, o que os egípcios vão considerar como um sinal de que o poder real ainda está com o exército. Como presidente, Mursi pode designar o gabinete.

Os seus assessores dizem que ele já entrou em contato com políticos de fora da Irmandade, como o reformista Mohamed ElBaradei. Mas os poderes legislativos permanecem com o Exército enquanto o parlamento está dissolvido, restringindo seu poder de agir.

As comemorações na Praça Tahrir, no Cairo – palco da revolução que derrubou Mubarak – se estenderam até a noite. Alguns partidários da Irmandade ainda estavam celebrando, surpresos com sua vitória que quebrou uma tradição de seis décadas de presidentes provenientes do Exército.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!