Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente do Sudão aceita independência do sul do país

O presidente sudanês, Omar Hassan al Bashir, disse nesta segunda-feira que aceita a decisão de independência do sul do país num referendo que está prestes a criar um novo país na África e dar início a um novo período de incertezas em uma região crescentemente volátil. A previsão é de divulgação no final desta segunda-feira do resultado final da votação, realizada em 9 de janeiro, mas dados preliminares mostraram que 98,83 por cento dos eleitores do sul optaram pela separação do norte.

O referendo estava previsto em um acordo de 2005 que encerrou décadas de guerra civil entre o norte e o sul do país. A expectativa agora é que o país se divida em dois em 9 de julho. “Hoje nós recebemos estes resultados. Nós aceitamos e recebemos bem esses resultados porque eles representam o desejo do povo do sul”, disse Bashir em um pronunciamento na TV.

Bashir havia dito anteriormente a jornalistas que sabia que o resultado era favorável à secessão. Centenas de pessoas começaram a se aglomerar nesta segunda-feira, sob o forte calor, na capital do sul, Juba, para celebrar o resultado oficial. As declarações de Bashir devem aplacar temores de que o norte estaria relutante em permitir a independência do sul, uma região rica em petróleo.

A maior parte das reservas petrolíferas sudanesas fica no sul, mas a infraestrutura está no norte, o que obrigará a uma cooperação econômica entre os dois países e deve tornar um conflito armado prejudicial para ambos os lados. Depois do anúncio oficial do resultado do referendo, governos de todo o mundo e entidades multilaterais como a União Africana e a ONU devem reconhecer a independência do sul do Sudão, a qual deve ser formalizada em 9 de julho.

Bashir deixou claro que ninguém terá dupla nacionalidade (do norte e do sul), apesar de esse princípio estar permitido na Constituição –o que mostra a relação desconfortável que os dois países terão após a separação. Ainda há disputas bilaterais a respeito da demarcação da fronteira –área na qual há grandes reservas de petróleo–, de concessão de cidadania, de divisão dos preciosos recursos hídricos do Nilo e das reservas de petróleo, e da posse da região de Abyei, reivindicada por ambas as partes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!