Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente da Renamo só sai da Gorongosa quando houver “consensos” definitivos sobre a paz

Presidente da Renamo só sai da Gorongosa quando houver “consensos” definitivos sobre a paz

Foto de Emildo SamboA Renamo disse, esta quarta-feira (06), na capital moçambicana, que o seu presidente, Ossufo Momade, só vai abandonar a Serra da Gorongosa, em Sofala, quando as negociações com o Governo, para a paz efectiva, estiverem concluídas e os seus guerrilheiros devidamente encaminhados.

Há tempo que publicamente não se tem informação sobre o estágio ou a evolução do dossiê relativo às negociações entre o Governo e o maior partido da oposição.

Todavia, Gania Mussagy, membro da Comissão Política da Renamo, disse que “o trabalho está andar” e a sua formação política está convencida de que o Memorando de Entendimento Sobre Assuntos Militares “será cumprido. Não gostamos de desconfiar daquilo que foi combinado (…)”.

Só depois de “traçarmos uma estratégia e sabermos que os nossos irmãos [guerrilheiros] não estão abandonados” é que Ossufo Momade poderá sair das matas. “Nós não podemos abandonar os nossos homens de qualquer maneira”.

Ossufo Momade vive na Serra da Gorongosa desde a morte de Afonso Dhlakama, em Maio de 2018.

Ele mudou-se para aquele ponto do país – supostamente para estar perto dos guerrilheiros – quando foi eleito coordenador interino da Renamo e vincou a sua permanência após o congresso realizado em Janeiro último.

Gania disse, num outro desenvolvimento, que a estadia de Ossufo em Gorongosa tem a ver com o receio de os guerrilheiros promoverem o que classificou como “desordem”, se eventualmente julgarem que estão abandonados.

A fonte falava a jornalistas à margem de uma reunião da “perdiz”, que visava falar aos membros eleitos para a Assembleia Autárquica de Maputo sobre a organização interna do partido. O encontro tinha igualmente a finalidade de traçar perspectivas para as eleições gerais.

Na autarquia de Maputo, há 64 mandatos, dos quais 37 da Frelimo, 24 da Renamo e três do Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

Gania entende que, por vezes, quando um cidadão “é da oposição é visto como um maluco”. Ela defendeu que a união dos membros e a paz “são as armas” que podem levar o partido à Ponta Vermelha.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!