Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: Povo pato

Quando o assunto é “tacho”, normalmente, as três bancadas cravadas na Assembleia da República movimentam-se, qual orquestra harmónica, para defenderem os seus interesses pessoais e os dos seus partidos políticos – na sua maioria não explicados. Como um povo privado de serviços de Saúde, Justiça e Educação de qualidade, era imperioso que todos nós saíssemos à rua a fim de acordarmos os três poderes da República e impedirmos a efectivação dessa roubalheira que será legitimada pelos nossos votos nas próximas eleições gerais do dia 15 de Outubro.

Porém, não foi isso a que se assistiu na passada sexta-feira, dia 16 de Maio. Na verdade, apenas meia dúzia, por assim dizer, de indivíduos deixou os seus afazeres para mostrar a sua indignação nas artérias da cidade de Maputo perante a aprovação das leis que estabelecem mordomias principescas para os Presidentes da República e os “doutos” parlamentares.

A impressão que ficou é de que se tratou de uma marcha dos membros das organizações da sociedade civil, dos seus amigos ou dos seus fervorosos apoiantes. Esperava-se que os outros pontos do país afinassem pelo mesmo diapasão. Nas províncias de Nampula e Zambézia, os maiores círculos eleitorais, ou seja, os que mais deputados levam ao Parlamento, ninguém tugiu nem mugiu, dando a sensação de que toda a população está satisfeita com as regalias grotescas aprovadas pelos parlamentares.

Diga-se de passagem que a fraca adesão à marcha contra as regalias milionárias dos deputados e dos Chefes de Estado é paradigmático da nossa indiferença, desleixo e falta de cultura, sobretudo relativamente à tosca lei lavrada, de forma hábil, e aprovada, apressadamente, por um grupo de pessoas que continuam a demonstrar total desprezo pelo sofrimento dos moçambicanos. O estado em que se encontram os serviços de Saúde, de Educação e de Justiça no nosso país é de dar dó a qualquer cidadão moçambicano que sonha e luta pelo desenvolvimento socioeconómico e cultural do seu país. Espanta-nos, portanto, o silêncio cúmplice de todo o povo diante dessas barbaridades.

Nós continuamos indiferentes a toda essa situação e a pensarmos que o problema do saque ao nosso país apenas afectará ao nosso vizinho. Isto só revela que, ainda, somos um povo que sofre da síndrome de pato gordo. Ou dito sem metáfora: Não somos patos para a reprodução e manutenção da espécie, mas sim patos de panela para fazermos a alegria das volumosas barrigas dos Chefes de Estado, dos deputados, dos membros do Governo, entre outros indivíduos cuja especialidade é provocar, com esmero, rombos nos paupérrimos cofres do Estado.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!