Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pontes sobre os rios Lucite e Mussapa acabam com sofrimento da população

A população do distrito de Mossurize, na província central de Manica, está convicta de que as pontes sobre os rios Lucite e Mussapa, ora em construção, são, mais do que nunca, uma realidade que vai acabar com o drama da ligação rodoviária entre este distrito e, principalmente, a capital, Chimoio.

Esta convicção foi transmitida Quarta-feira, na vila sede do distrito de Mossurize, Espungabera, durante o comício popular que o Presidente Armando Guebuza orientou nesta região, no último dia da sua Presidência Aberta e Inclusiva a província de Manica. A falta de pontes sobre os rios Lucite e Mussapa obrigava as populações deste distrito fronteiriço a uma “grande ginástica”, principalmente no período chuvoso, para poderem se comunicar por terra com Chimoio e outros pontos de Moçambique.

Esta “ginástica” inclui passar pelo vizinho Zimbabwe para se chegar a certos locais dentro de Moçambique. “Agradecemos o facto de as obras de construção das pontes sobre os rios Lucite e Mussapa estarem em curso e a prosseguirem de uma forma a que todos que por lá passam tenham certeza de que a sua conclusão é irreversível”, disse um dos residentes de Mossurize, no comício. O próprio Presidente Armando Guebuza confirmou o decorrer destas obras. Com efeito, a construção das duas pontes já progrediu fisicamente em mais de 50 por cento e que a sua conclusão poderá ocorrer em Dezembro deste ano (2009).

“Estas e outras obras não estão a ser feitas pelo Governo mais sim por todos os moçambicanos”, disse Guebuza, respondendo a vários cidadãos que foram ao pódio para agradecer a forma como o Governo de Guebuza tem se “batido” pela melhoria das condições de vida da população. Por outro lado, Mossurize pediu para que o Governo fizesse tudo de forma a fornecer directamente, a este distrito, energia eléctrica produzida na Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), no lugar desta mesma energia ser abastecida a partir do Zimbabwe, como acontece actualmente.

O Chefe do Estado reconheceu esta realidade, explicando que muitas outras zonas de Moçambique ainda continuam dependentes de países vizinhos. Contudo, segundo suas próprias palavras, o programa do Governo é fazer chegar esta energia a todos pontos do país. A população de Mossurize também pediu estradas asfaltadas, mais escolas, reforço do fundo de investimento de iniciativa local (vulgo sete milhões de Meticais), entre outras necessidades.

“Estão a falar aqui da necessidade de estradas alcatroadas, mais escolas, entre outras infra-estruturas. Isto vai acontecer porque todos nós trabalhamos para isso. O que o povo quer fazer faz. O Governo só aparece como facilitador, tendo em conta os recursos a sua disposição”, sublinhou Guebuza. Apesar destas necessidades, Mossurize não escondeu a sua satisfação pelos resultados positivos que vem sendo registados desde que o Governo de Guebuza decidiu, no presente mandato, transformar o distrito em pólo de desenvolvimento, aconselhando para que muito mais seja feito para dotar os 128 distritos de mais condições para que o seu desenvolvimento seja muito mais célere.

A abertura de bancos foi uma das solicitações avançadas pelas populações, que vem nestas instituições uma forte base de desenvolvimento. “As coisas não chegam ao mesmo tempo. Mas é muito bom que as populações saibam o que é fundamental para o seu desenvolvimento”, frisou, por outro lado, Guebuza. Nesta quinta-feira, Guebuza iniciou uma visita de trabalho de quatro dias a província de Inhambane, já no Sul do país, através do distrito de Massinga, mas com escala no distrito de Mabote.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!