Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Polícia sem resultados da autópsia da australiana morta numa praia no sul de Moçambique

A Polícia da República de Moçambique (PRM) alega que ainda não dispõe do relatório da autópsia à cidadã de nacionalidade australiana, identificada pelo nome de Elly Warren, de 20 anos de idade, encontrada sem vida, há duas semanas, na Praia do Tofo, na província de Inhambane. Contudo, o pai da vítima, Paul Warren, disse estar convencido de que a filha foi sufocada até à morte.

Paul Warren deslocou à República da África do Sul (RSA), há poucos dias, para proceder à transladação do corpo da filha, mas manifestou a intenção de realizar uma segunda autópsia naquele país.

A vítima, que viajou para Moçambique sozinha com vista a participar num programa de voluntariado de pesquisa sobre vida marinha realizado pela Fundação Marine Megafauna, na praia do Tofo, foi achada na manhã de quarta-feira (09), perto de uma casa de banho pública, sita num local bastante movimentado.

Na altura dos factos, Juma Dauto, inspector e porta-voz da Polícia em Inhambane, disse ao @Verdade que o corpo da jovem foi transladado para a cidade de Maputo, para submetido a uma autópsia que determinaria a causa da morte.

Volvidas quase duas semanas após o acontecimento, o @Verdade perguntou a Cláudio Langa, porta-voz do Comando-Geral da Polícia da PRM, se havia ou não o relatório da autópsia e qual era o teor.

“Ainda não. A perícia ainda está a trabalhar no assunto”, disse o agente da Lei e Ordem, que, perante a nossa insistência, alegou haver “dados que continuam em investigação e não podemos torná-los públicos, neste momento. Está-se a trabalhar”.

Todavia, as autoridades moçambicanas disseram a oficiais da Polícia Federal australiana que o relatório da autópsia sobre a morte de Elly Warren estava quase completo e seria liberado quando os testes toxicológicos estiverem finalizados, segundo a imprensa australiana.

O mesmo órgão veiculou que as autoridades moçambicanas não se opunham ao desejo da família da malogra, de realizar uma segunda autópsia na África do Sul. Sobre esta informação, Cláudio Langa fechou-se em copas e não disse nada de relevo.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!