Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Polícia recolhe discos pirateados

A Polícia da República de Moçambique (PRM) intensificou a sua ofensiva contra a pirataria digital, tendo recolhido e destruído mais de dois mil discos compactos e DVDs em três províncias do país, nos últimos dias.

Segundo o porta-voz do Comando-Geral da PRM, este material foi recolhido nas províncias de Gaza e Maputo, no Sul, bem como em Tete, Centro do país, em acções levadas a cabo na via pública e em estabelecimentos comerciais.

Parte deste material, como é o caso de cerca de 600 discos há dias recolhidos na província de Maputo, já foi incinerado.

“Queremos proteger os artistas que trabalham arduamente para produzir os discos que depois são pirateados e a sociedade que consome produto de baixa qualidade”, disse Freia, falando hoje em Maputo, durante o habitual briefing semanal da Polícia com a imprensa.

A pirataria digital em Moçambique é um problema antigo, particularmente nas cidades onde até existe produtoras piratas cuja actividade diária é produzir discos falsos de música e filmes, de artistas nacionais e estrangeiros.

Parte considerável desse material, que em Maputo é produzido no centro da cidade e até por cidadãos estrangeiros, é exportada ilegalmente para outros países, com destaque para a vizinha África do Sul, onde é comercializado a preços baixos, comparativamente com as dos discos originais.

No contacto com a imprensa, Raúl Freia disse que a campanha da PRM vai prosseguir, devendo abranger todas as províncias do país, incluindo “visitas” a produtoras.

Em toda a semana passada, a Polícia moçambicana registou um total de 156 casos criminais, contra 185 do igual período de 2010. Dentre esses casos consta o de 10 emigrantes ilegais detidos na província central de Manica, que depois foram evacuados para o Centro de Refugiados de Maratane.

Trata-se de quatro cidadãos etíopes e seis de nacionalidade paquistanesa que se encontravam em Maratane, local donde fugiram, tendo depois sido neutralizados no distrito de Manica, província com o mesmo nome.

A Polícia afirma que os emigrantes ilegais têm uma grande apetência em se refugiar em Manica devido as potencialidades mineiras daquele distrito que actualmente conta com diversos cidadãos estrangeiros, explorando ouro, diamantes, entre outros recursos, em situações suspeitas.

No total, a Polícia deteve 156 indivíduos em todo o país indiciados de prática de diversos crimes, 100 dos quais de furtos e roubos. Deste universo, outros 10 indivíduos foram detidos em conexão com casos de homicídios e ofensas corporais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!