Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Polícia investiga proveniência de duas toneladas de haxixe em Nampula

Cerca de duas toneladas de haxixe terão sido descarregadas no distrito costeiro de Angoche, entre os dias 3 e 4 de Junho passado, de um navio ancorado no alto mar cuja proveniência ainda se encontra em investigação policial, segundo anunciou, esta terça-feira, em conferência de imprensa, Inácio Dina, chefe de Relações Públicas no Comando Provincial da corporação em Nampula.

A polícia ter-se-à apercebido deste circuito a partir da apreensão, na semana passada, de 48 embalagens daquele produto, correspondentes a igual número de quilogramas.

De acordo com a fonte, o produto estava a ser vendido, ao nível da cidade de Nampula, por um cidadão residente no bairro de Muhala-Belenenses.

Contudo, um professor da escola primária de Mutomote, arredores da mesma cidade, é também indiciado de ter , semanas atrás, adquirido e revendido mais de 50 quilogramas daquele tipo de produto.

Inácio Dina afirmou que a quantidade da droga apreendida faz parte de um lote de 90 quilogramas supostamente desviados pelos trabalhadores de Faustino Omar Atumane, residente no bairro de Inguri, em Angoche e tido como “comerciante de haxixe de longa data”.

Considerado nos últimos meses como empresário de sucesso, Atumane é detentor de algumas embarcações de pesca que, supostamente, eram usadas para o transporte do haxixe do local de descarregamento para a Ilha de Iyatá ( Angoche) e de lá para a região continental.

Aliás, uma das suas viaturas, de marca Toyota Corolla , com chapa de inscrição MMQ 21-48, que a polícia afirma ter sido adquirida com o dinheiro resultante do negócio de haxixe, encontra-se nas mãos das autoridades policias, incluindo duas embarcações a motor da frota de seis que o empresário possui.

Em conexão com este caso, onze indivíduos, incluindo Faustino Atumane, encontram-se detidos nas celas da Polícia de Investigação Criminal (PIC) para mais averiguações.

Entretanto, o denominado cabecilha e seus sete marinheiros detidos negam qualquer envolvimento neste caso, conquanto confirmem a sua sistemática deslocação às ilhas, em actividades de pesca ou simples passeio.

Todavia, a polícia diz que vai continuar a investigar o assunto para identificar a proveniência do navio que atracou em Angoche em Junho, incluindo o destino que terá sido dada às cerca de duas toneladas de haxixe descarregadas então.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!