Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Polícia evita detenção de produtores de soruma em Calombolombo (Guro)

Após a descoberta de pelos menos 25 campos de soruma, correspondendo a uma área de 200 hectares , e incineração de 26 toneladas desta droga em Calombolombo, em Guro, Manica, a Polícia não fez nenhuma detenção dos produtores suspeitos de envolvimento nessa actividade tida como ilegal.

O jornal Diário de Moçambique soube que tal se deve ao facto de que o encarceramento abrangeria parte significativa, embora não especificada, da população de Calombolombo, que cultiva e vende soruma.

A administradora distrital local, Deolinda Bengula, afirmou que ao se efectuar detenções significaria a recolha de parte significativa da população da região de Calombolombo para a cadeia.

Presentemente, de acordo com a fonte, que falava num contacto telefónico com a nossa Reportagem, decorrem actividades de sensibilização para que as pessoas não voltem a praticar o cultivo da soruma, dando atenção às culturas alimentares.

Conforme apurou o jornal Diário de Moçambique, a população tinha a soruma como fonte de receita, sendo o vizinho Zimbabwe o seu mercado preferencial. Outros compradores eram provenientes da África do Sul.

A administradora de Guro afirmou que se houver reincidência, os praticantes serão levados ao tribunal. As medidas de sensibilização com vista a desencorajar a prática estão a ser desenvolvidas simultaneamente com o processo de distribuição de sementes agrícola, particularmente de hortículas.

Pretende-se com esta iniciativa governamental, garantir a produção de culturas alimentares e que a população abandone por completo o cultivo da soruma. Estas sementes devem ser lançadas ao longo do vale do Rio Luenha, que esteve a ser usado para a produção da droga.

Dados apontam para a incineração, até aqui, de vinte e seis toneladas de soruma. Informações colhidas no local, no início das operações de desmantelamento incineração, indicam que a produção ocorria numa área avaliada em 200 hectares. Estas operações tiveram início nos meados do mês em curso.

Nove hectares correspondem a área, presentemente, destruída. As autoridades do distrito vão proceder à destruição de de 6.5 hectares e as plantas serão igualmente incineradas.

A remoção das plantas e sua incineração, ainda conforme a fonte, conta com a ajuda dos próprios produtores. As terras usadas para a produção da soruma, devem estar preenchidas de culturas alimentares.

É neste sentido que Deolinga Bengula assegura que a produção de alimentos, no local, vai contar com um acompanhamento permanente do Governo, para evitar que se retorne ao cultivo da soruma.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!