Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Perspectiva-se melhoria de socorro a acidentados

Moçambique poderá contar, brevemente, com uma instituição denominada Instituto Moçambicano de Emergência Médica, que, entre outras competências, prestará assistência adequada aos feridos em acidentes de viação da ocorrência à unidade sanitária de referência.

A criação do Instituto de Emergências – o projecto de decreto-lei foi submetido pelo Ministério da Saúde (MISAU) ao Conselho de Ministros – será o primeiro passo, a partir do qual se mobilizará financiamento para aquisição de equipamentos como ambulâncias devidamente equipadas, montagem de uma central telefónica e definição de número universal de chamada, 112, por exemplo.

A formação de pessoal médico arrancou em Março, de acordo com fonte competente ligada ao processo. Otília Neves, chefe do Departamento de Emergências no MISAU, que revelou estes dados ao jornal “Notícias”, reconheceu que parte das mortes em acidentes de viação se deve à demora de assistência médica e aos moldes em que ela ocorre, quando finalmente chega.

Com aquele organismo, dotado de ambulâncias específicas, que na verdade são pequenas salas de cirurgia, pessoal formado em trauma, uma central telefónica com técnicos à altura, os feridos em acidentes de viação começarão a ser assistidos nos moldes universalmente propostos, ou seja, a partir do local do sinistro e durante a viagem até ao hospital, não mais nas condições actuais, em que as vítimas chegam aos hospitais em carrinhas muito tempo depois.

De acordo com aquela médica, numa primeira fase, a instituição vai socorrer vítimas de acidentes de viação na cidade e província de Maputo, devendo paulatinamente estender-se a outras províncias e emergências.

O Instituto estará sediado no Ministério da Saúde, mas a sua operacionalização exigirá outros sectores. Segundo o jornal, só para se ter uma ideia, a gestão da central telefónica caberá a uma entidade competente na área e não directamente à Saúde.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!