Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pergunta a Tina: não tive ereção suficiente para que tivéssemos a nossa primeira vez

Pergunta a Tina: sexo oral prejudica a saúde ou não?

Meu nome é Júnior e gostaria de partilhar consigo uma história. A minha vida sexual iniciou quando tinha 19 anos e tive a minha primeira relação sexual com a minha namorada na altura. Criei muita expectativa em torno de momento e queria muito proporcionar prazer a mim e a ela, mas infelizmente não aconteceu (Quero com isso dizer que não tive ereção suficiente para que tivéssemos a nossa primeira vez). Conversámos sobre o assunto na altura e depois de algum tempo, voltámos a tentar e conseguimos ter a nossa primeira vez. Depois da primeira tentativa falhada, comecei a incutir na minha mente o pensamento positivo de que tudo iria correr bem. Infelizmente depois de algum tempo o nosso relacionamento terminou. A vida teve que continuar.

Depois de algum tempo envolvi-me com uma jovem (éramos amigos, mas tínhamos muita paixão, desejo um pelo outro) e tivemos algumas relações sexuais. No início do momento, me veio à mente a falha que tive da primeira vez (aos 19 anos) e aquilo corroía a minha mente e me fazia pensar que se fosse falhar e em algum momento fiquei nervoso e não conseguia relaxar o suficiente. Ela me acalmou e me ajudou a relaxar com carinhos, beijos, amassos e abraços (preliminares) e de seguida consegui relaxar e tivemos o nosso momento de forma bem-sucedida.

Passou novamente algum tempo e conheci alguém. Depois de algum tempo, decidimos ter relações sexuais. Incrível que conversámos sobre isso quase todos dias (estilo onde seria, quando seria, e questões que no fim, acredito que não ajudaram, pois não foi natural). Infelizmente dessa vez pela expectativa e por já ter falhado no passado. Me veio à mente a sensação de que ia falhar e fiquei nervoso e não tivemos a nossa relação.

O histórico que tive na primeira vez tem influenciado ou influenciou as minhas relações posteriores. E acredita, mana Tina, é uma sensação muito desagradável e pouco confortante. Sei que isso tudo deve estar na minha cabeça, mas gostaria de saber de si o que devo fazer, para não falhar das próximas vezes. Não gostaria de passar por isso novamente. Peço o seu comentário/sugestão. Obrigado. Tenho 23 anos de idade.

Caro Júnior, tens toda a razão, é só uma questão da tua cabeça. Não se passa nada de anormal contigo. A tua preocupação não é difícil de ultrapassar. É simplesmente modificar a maneira como encaras o sexo. Quando fazes sexo, e mesmo antes de iniciares, só pensas em erecção. Aí é que está o problema. Sexo não é erecção.

Tens que deixar de olhar o teu problema de erecção como a coisa mais importante da vida, porque não é. Tens que relaxar, e pensar que se trata dum problema transitório que tu próprio poderás resolver sem dificuldades de maior. Da próxima vez que fizeres sexo, experimenta esquecer a erecção e a penetração, não te preocupes com isso, e concentra-te apenas em proporcionar um ou mais orgasmos à tua parceira. Isso é possível de uma forma muito simples e prazerosa: beijar, mordiscar, lamber, chupar, acariciar, apalpar, manipular, titilar, roçar, ou massajar as inúmeras zonas erógenas (que provocam excitação sexual) do corpo de uma mulher – cabelo, orelhas, pescoço, nuca, face, boca, língua, mamas, baixo ventre, parte inferior das costas, nádegas (em especial as dobrinhas), parte interna das coxas, períneo, vagina e em particular o clítoris – de uma forma relaxada, calmamente, sem pressas, pode dar-lhe um prazer infinito, com todos os orgasmos que vocês quiserem, durante o tempo que quiserem. E sem erecção! A mulher não está nem aí!

Em resumo, querido Júnior, esquece a erecção, deixa de olhar o sexo como uma corrida, uma competição, e verás que tudo corre bem. Boa sorte!

 

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!