Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Perdidas 37% de culturas em Guro devido a seca

O distrito de Guro, província de Manica, Centro de Moçambique, perdeu cerca de 37 por cento de toda a área cultivada devido a estiagem, situação que ameaça a segurança alimentar das populações locais. De toda a área cultivada de 30.634 hectares, aquele distrito de Norte de Manica perdeu 11.461 hectares, na sua maioria constituídas por milho, uma das principais culturas alimentares do país.

Na campanha agrícola passada, Guro previa produzir 53.252 toneladas de culturas diversas, mas só conseguiu uma quantidade perto da metade do planificado, segundo disse a Administradora distrital, Deolinda Bengula. Devido a essa situação, o “Notícias” diz que as populações afectadas estão neste momento a alimentar-se com base em frutos silvestres e raízes.

A comercialização de animais e troca destes com cereais é outra alternativa encontrada pelas populações para a sua sobrevivência. A situação de seca não só afecta o distrito de Guro, mas também outros distritos da província de Manica. Um informe da missão multisectorial encarregue para avaliar e monitorar a situação constatou que dos 724.298 hectares planificados na província para render 1.847.917 toneladas de produtos diversos, a província perdeu 161.793,51 hectares. Neste momento, cerca de 42.946 pessoas de todos os distritos da província estão em situação de vulnerabilidade, sendo os distritos de Tambara, Macossa e Machaze os mais afectados.

Para além da estiagem, a produção na presente campanha agrícola foi afectada por pragas de lagarta invasora, no distrito de Tambara, e de gafanhoto elegante, nos distritos de Sussundenga, Mossurize, Machaze, Tambara e Guro. Face a esta situação, o Governo Provincial de Manica, em coordenação com os seus parceiros de cooperação, está a promover o desenvolvimento de culturas resistentes à seca (mandioca, batata doce, ananás, cajueiro), mobilizar os camponeses para recorrer às zonas baixas para a produção agrícola e sensibilização para o uso dos canais de irrigação existentes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!