Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pelo menos 60 jornalistas foram mortos no mundo em 2014, segundo uma ONG

Pelo menos 60 jornalistas foram mortos no mundo este ano em casos de violência relacionados ao trabalho, e o Oriente Médio foi a região mais perigosa, disse, esta terça-feira (23), o Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) no relatório de final de ano.

O número de mortos em 2014 representa uma queda em relação a 2013, quando 70 jornalistas morreram devido à violência relacionada ao trabalbo, disse o grupo sediado em Nova York. O CPJ está a investigar as mortes neste ano de pelo menos mais 18 jornalistas para determinar se houve alguma relação com a profissão.

Quase metade das mortes de jornalistas neste ano aconteceu no Oriente Médio. A Síria foi o país mais letal para a imprensa pelo terceiro ano seguido, com pelo menos 17 jornalistas mortos no meio da guerra civil. O conflito na Síria, iniciado em 2011, já deixou 69 jornalistas mortos, de acordo com o CPJ.

Os três últimos anos foram os mais violentos desde que o CPJ começou a documentar as mortes de jornalistas, em 1992, disse a entidade. Quase um quarto dos jornalistas mortos em 2014 trabalhavam para órgãos internacionais de imprensa, cerca de duas vezes a proporção que o CPJ registou nos últimos anos, disse a organização.

Entre os correspondentes internacionais mortos está Anja Niedringhaus, fotógrafa da Associated Press que foi morta a tiros no Afeganistão, em Abril, enquanto cobria as eleições no país.

Um repórter freelance dos EUA e um jornalissta freelance norte-americano-israelita foram mortos por militantes do Estado Islâmico, grupo que tomou grandes porções de território do Iraque e da Síria.

O trabalho mais comum realizado pelos jornalistas mortos era repórter de emissora, representando 35 por cento do total de vítimas, disse o CPJ. Depois vieram os fotógrafos e cinegrafistas, com 27 por cento.

O CPJ considera um caso relacionado ao trabalho quando a equipe da organização está “razoavelmente certa” de que o jornalista foi morto em represália directa por seu trabalho, no fogo cruzado durante os combates ou durante a realização de uma tarefa perigosa.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!