Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Pedra da Namaacha” interessa a portugueses

Empresários portugueses poderão investir na extracção e transformação de placas riolíticas de Namaacha, na província de Maputo, produto que poderá ser comercializado no mercado moçambicano e externo. Conhecidos pela designação de “Pedra de Namaacha”, já conquistaram a fama pela sua qualidade para aplicação na indústria de construção civil, entre outras.

Para o efeito, uma equipa de empresários portugueses esteve recentemente no distrito de Namaacha, na província de Maputo, para analisar o potencial existente da também designada pedra laje e posterior elaboração de projectos de investimentos. Chefiada por João Barbosa, um empresário do Norte de Portugal, a equipa encontrava-se em Moçambique a convite do Governo distrital de Namaacha.

Namaacha é conhecida pelo seu potencial mineiro, sobretudo no fornecimento de pedra para diversas aplicações na construção civil. Uma primeira apreciação leva a concluir que a pedra está a ser explorada de forma artesanal, havendo necessidade para extracção e transformação industrial. “Na verdade, Namaacha tem um potencial muito grande na área da pedra. Só que essa pedra está a ser explorada de forma artesanal” , afirmou Barbosa.

O grande problema, segundo a fonte, está relacionado com a falta de equipamentos e tecnologia moderna para mecanizar a actividade. Em Namaacha, a extracção da pedra é feita com recurso a escopro e martelo, o que condiciona a qualidade e quantidade do produto. “A pedra está a ser extraída manualmente, havendo uma necessidade urgente de criar condições para a mecanização”, sublinhou Barbosa.

Barbosa entende que bem explorada, a pedra de Namaacha pode trazer muita riqueza para a população local, a contar pela procura que tem a nível nacional e internacional. A pedra de Namaacha é muito apreciada não apenas para a construção de casas, mas também para obras públicas, como estradas, e outras aplicações. “Sendo a pedra de Namaacha muito procurada, o que falta é produzir em quantidade e exportar. Sabemos que é muito apreciada na África do Sul e noutros países da região” , concluiu.

No distrito de Namaacha funciona uma fábrica de transformação de placas riolíticas em tijoleiras. Trata-se da Tijoleira de Moçambique, que mensalmente exporta cerca de 400 toneladas para o mercado sulafricano. Numa recente entrevista ao encarregado da fábrica, ficamos a saber que a mesma tem estado a funcionar a meio gás devido ao problema da matéria-prima.

A associação que fornece as placas à Tijoleira de Namaacha não tem conseguido satisfazer quantidades necessárias, resultado da exploração artesanal das mesmas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!