Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pássaros invadem arroz em Chókwè

Cerca de quatro mil e quinhentos hectares de arroz já foram colhidos o que representa uma cifra de 80 porcento da área semeada. Entretanto, começam a aumentar inquietações devido à queda do grão que tem como origem o estado avançado de maturação do arroz.

Na região de Nwachicoloane já se fala de queda drástica dos rendimentos nas colheitas que passaram de cinco toneladas por hectare para apenas duas toneladas. Alberto Banguine, director técnico da Hidráulica de Chókwè (HICEP) disse que não obstante os desperdícios que estão a surgir, devido à queda do grão, assim como ao ataque dos pássaros nos campos de arroz, os agricultores continuam a trabalhar contra o relógio, numa perspectiva de minimizar os prejuízos.

Enquanto isso, ainda de acordo com Alberto Banguine, nesta ponta final e sem grandes sobressaltos, estão no terreno as máquinas a realizarem trabalhos de ceifa, em campos expressamente preparados para a produção de arroz para semente, um trabalho que está sendo executado em parceiria com diversas associações de resgates em Chókwè.

Para a região agrícola de Chilembene, ainda de acordo com a nossa fonte, foram já enviadas duas auto-combinadas para a conclusão da ceifa numa área de cerca de quatrocentos hectares. “Nos próximos dias acredito que finalizaremos no regadio de Chókwè, o processo de colheita de arroz, que desta vez, devido à situações imprevistas, foi necessária a participação de diversos extractos da sociedade, com destaque para os estudantes e militares.

Foi sem dúvidas um contributo extremamente louvável prestado por aqueles concidadãos que em grande medida ajudou a reduzir as perdas”, referiu. Banguine acrescentou que neste momento, este tipo de intervenção não é aconselhável, devido ao elevado nível de maturação do grão, sendo a intervenção do equipamento mecânico a solução que está sendo encontrada.

Por forma a dotar o regadio de uma melhor prestação, já iniciaram os trabalhos de limpeza de valas de drenagem com recurso ao novo equipamento afecto ao HICEP, constituído por duas escavadoras. Segundo informações avançadas pela nossa fonte, os operadores das máquinas recém adquiridas, serão objectos de uma formação de 15 dias por instrutores sul-africanos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!