Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Parlamento aprovada transferência de postos administrativos e localidades para distritos recém-criados em Gaza

Frelimo e oposição encerram actividades do Parlamento com discursos moderados

Foto de ArquivoA Assembleia da República (AR) aprovou, na quinta-feira (07), na generalidade, a transferência de postos administrativos e localidades para os três distritos recém-criados, nomeadamente Mapai, Chongoene e Limpopo, na província de Gaza. A Renamo posicionou-se contra, alegadamente porque a proposta apresentada pela ministra da Administração Estatal e Função Pública, Carmelita Namashulua, está inquinada de irregularidades, mas o seu voto não foi bastante para suplantar a anuência da Frelimo e do Movimento Democrático de Moçambique (MDM).

No novo reordenamento, os postos administrativos de Zongoene e Chicumbane, no distrito de Xai-Xai, passam para o distrito de Limpopo. Para esta mesma circunscrição geográfica passa Chissano, em Bilene.

No distrito de Chicualacuala, o posto administrativo de Mapai passa para o distrito de Mapai, enquanto a localidade de Machaila, no posto administrativo de Chigubo, distrito de Chigubo, passa também para Mapai.

O posto administrativo de Chongoene, ainda em Xai-Xai, passa a fazer parte do distrito de Chongoene, devendo os postos administrativos de Nguzene e Mazucane, no distrito de Manjacaze, desligarem-se deste e passarem também para Chongoene.

Trata de uma medida que visa ajustar a organização territorial e administrativa, adequar o desenvolvimento do país ao tempo nos domínios económico, social, político e cultural, segundo defendeu a ministra da Administração Estatal e Função Pública.

Carmelita Namashulua disse que já foram criadas as condições técnicas e administravas para o funcionamento das novas circunscrições geográficas.

De acordo com ela, não houve recrutamento de novos funcionários e agentes do Estado, mas, sim, afectação dos que trabalhavam nos locais deslocados de uma área para outra.

Alves Zita, deputado da bancada parlamentar do partido no poder, a Frelimo, disse, em declarações de voto, que o reordenamento proposto pelo Governo “estabelece os princípios e critérios de organização territorial para criação, elevação e transferência de áreas visando o reforço da presença do Estado local” para que a administração seja efectiva os serviços públicos estejam mais próximos dos cidadãos.

Para a Frelimo, a mesma medida irá diminuir as distâncias percorridas pela população para ter acesso a vários serviços.

A mesma opinião foi manifestada pelo MDM, através do deputado José de Sousa. Este ajuntou que a prestação de serviços passará a ser uma realidade.

Na perspectiva do maior partido da oposição, a Renamo, “a proposta não respeita os princípios básicos da lei do ordenamento territorial” no concernente à aproximação da administração pública, serviços e infra-estruturas às populações.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!