Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Parlamentar diz que Irão suspendeu sentença de Sakineh

Parlamentar diz que Irão suspendeu sentença de Sakineh

O Irão suspendeu a sentença que determina o enforcamento da iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, pivô de uma mobilização global em razão de outra sentença que determinava o seu apedrejamento, disse uma deputada iraniana na segunda-feira numa carta à presidente brasileira, Dilma Rousseff. Uma outra autoridade, porém, sugeriu que a afirmação é falsa.

 

 

A sentença que determinava o apedrejamento de Sakineh foi suspensa no ano passado após a reprovação de uma série de governos. A iraniana, no entanto, ainda corria o risco de ser enforcada por cumplicidade no assassinato do marido.

Em carta à presidente brasileira, a deputada Zohre Elahian, presidente da comissão de direitos humanos do Parlamento iraniano, disse que a pena de enforcamento também foi suspensa, devido a apelos dos filhos de Sakineh. “Embora a sentença de apedrejamento não tenha sido finalizada ainda, a sentença de enforcamento foi suspensa devido ao perdão (dos filhos dela)”, disse a carta, segundo a agência estudantil de notícias Isna.

Sakineh foi condenada a dez anos de prisão. Ela foi presa em 2006. Sajjad Ghaderzadeh, filho de Sakineh, disse à imprensa estrangeira no começo do mês que ela havia violado a lei islâmica, mas pediu por compaixão e perdão. No final da segunda-feira, uma autoridade judicial colocou em dúvida os comentários da deputada Elahian. “Não aconteceu nenhuma mudança nem desenvolvimento no processo do caso de Sakineh Mohammadi Ashtiani e a publicação de qualquer notícia a esse respeito é falsa”, disse Malek Ajdar Sharifi, autoridade na província onde o caso foi ouvido, segundo a agência de notícias oficial Irna. “Os arquivos dela estão sendo investigados na corte suprema nacional e veredicto final ainda não foi emitido.”

Em julho do ano passado, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva ofereceu asilo à Sakineh no Brasil. O governo do Irão rejeitou a oferta, elogiando o “caráter humano e sensível” de Lula, mas alegando que ele não estava de posse de todos os fatos. O Brasil tem boas relações com o Irão, e no ano passado tentou mediar um acordo nuclear, rejeitado por potências ocidentais.

Dois jornalistas do jornal alemão Bild AM Sonntag estão presos no Irão desde outubro, quando foram detidos por entrevistar o filho de Sakineh sem autorização do governo, colocando em evidência o quanto o caso é delicado. Pela lei islâmica em vigor no Irã, o adultério pode ser punido com a morte por apedrejamento, enquanto crimes como homicídio, estupro, assalto, apostasia e narcotráfico resultam em enforcamento.

O caso de Sakineh abalou ainda mais as relações entre o Irão e o Ocidente, já prejudicadas por causa do programa nuclear iraniano, que os EUA e seus aliados temem estar voltados para o desenvolvimento de armas nucleares. Teerã insiste no caráter pacífico das suas atividades. A Anistia Internacional diz que o Irã é o segundo país que mais usa a pena de morte no mundo, atrás apenas da China.

Em 2008, pelo menos 346 réus foram executados. As autoridades iranianas rejeitam as acusações de abusos aos direitos humanos, e alegam estarem seguindo a lei islâmica. As autoridades não estavam disponíveis no momento para fazer comentários sobre a sentença de Sakineh.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!