Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Papa ataca o escândalo de fuga de informações e apoia os auxiliares

O papa Bento 16 denunciou, de maneira irritada, esta Quarta-feira, o que chamou de falsa cobertura da mídia dum escândalo de fuga de informações que agitou o Vaticano e expressou total confiança nos auxiliares próximos que estão na linha de fogo durante a pior crise do seu papado.

Num discurso extraordinariamente brusco no final duma audiência geral na Praça de São Pedro, onde ele referiu-se várias vezes ao sofrimento pessoal, o pontífice de 85 anos disse que os acontecimentos recentes haviam causado tristeza no seu coração.

“As sugestões multiplicaram-se, amplificadas por alguns meios de comunicação que são totalmente sem fundamento e que foram muito além dos factos, oferecendo uma imagem da Santa Sé que não corresponde à realidade”, disse Bento sobre o escândalo que levou à prisão do seu mordomo por roubar documentos secretos.

Referindo-se aos assessores seniores do Vaticano, que os meios de comunicação italianos acusam de travar uma guerra de fuga de informações como parte duma luta interna pelo poder, Bento acrescentou:

“Eu gostaria de renovar a minha confiança e o meu encorajamento aos meus colaboradores mais próximos e todos aqueles que a cada dia, com fé, espírito de sacrifício e em silêncio ajudam-me a realizar o meu ministério.”

A primeira referência pública do papa ao escândalo destacou a dor que ele está a sentir por causa duma série de fuga de informações e alegações de corrupção generalizada do Vaticano.

Essa dor também reflectiu-se no seu discurso principal para milhares de peregrinos reunidos na luz do sol brilhante à frente da basílica de São Pedro, onde ele falou longamente sobre as provações, tribulações e sofrimentos causados até mesmo por aqueles que estão mais perto.

“A nossa vida e o nosso caminho cristão são muitas vezes marcados por dificuldades, incompreensões e sofrimentos”, disse ele.

O pontífice afirmou aos peregrinos que todas as pessoas devem buscar consolo na fé e perseverar em face de “conflitos nas relações humanas, muitas vezes de dentro da própria família.”

O Vaticano denunciou o a divulgação de documentos do escritório do pontífice como um ataque brutal pessoal. Um poderoso grupo de cardeais está a caçar outros dentro da Santa Sé supostamente envolvidos no escândalo.

A prisão do mordomo Paolo Gabriele, 46, foi o clímax semana passada difícil para o pontífice, que também incluiu a demissão abrupta do chefe do banco do Vaticano e publicação dum livro cheio de divulgações com alegações de conspirações entre cardeais rivais, os “príncipes da igreja”.

Numa longa passagem do seu discurso dedicado à epístola de São Paulo aos Coríntios, Bento repetidamente referiu-se às tribulações e dificuldades, dizendo: “Cristo … torna-nos capazes de nos consolar de todo o tipo de aflição.”

Terça-feira, a terceira figura mais sénior da Igreja Católica Romana disse numa entrevista no jornal do Vaticano L’Osservatore Romano que a publicação de documentos divulgados num recente livro escrito pelo jornalista italiano Gianluigi Nuzzi era um crime.

Foi a primeira vez que o jornal oficial do Vaticano informou sobre a detenção do mordomo do papa, há uma semana, e reflectiu a raiva na Santa Sé sobre o que é visto como uma traição ao Bento.

Documentos divulgados à imprensa durante vários meses alegam corrupção nas vastas transacções financeiras da Igreja com empresas italianas, incluindo os contratos de infraestrutura concedidos a preços inflacionados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!